Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Obrigações argentinas com novos baixos na enxurrada de manchetes negativas

19/08/2019 - 12:24
Argentina
Leve recuperação argentina do final da semana passada ameaçada com onda de notícias negativas (Imagem: Bloomberg)

Depois de uma breve pausa no final da semana passada, a dívida da Argentina está sendo prejudicada novamente.

As notas internacionais do país se aproximaram de novas baixas na segunda-feira, perto de acabar com a pequena recuperação do final da semana passada, depois que o país foi rebaixado para mais fundo por duas das três maiores empresas de classificação e o ministro da Economia Nicolas Dujovne renunciou.

O rendimento extra que os investidores exigem para deter títulos argentinos sobre os títulos do Tesouro dos EUA aumentou 203 pontos-base para 18,56 pontos percentuais, segundo o índice JPMorgan, enquanto títulos de 100 anos caíram quase 5,5 centavos para 46,5 centavos por dólar, se aproximando do recorde da semana passada. 

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O custo inicial para proteger a dívida da Argentina por cinco anos usando os credit default swaps subiu para 52,5%, ante 47% na sexta-feira. Mercados locais estão fechados na segunda-feira para um feriado.

“Você verá uma volatilidade muito maior entre o momento atual e o final de outubro”, disse Graham Stock, estrategista sênior soberano do mercado emergente em Londres na BlueBay Asset Management. 

As medidas tomadas pelo presidente Mauricio Macri na semana passada “não serão suficientes para ajudá-lo nas eleições de 27 de outubro, e ele corre o risco de seguir uma agenda muito populista antes da votação”.

A Macri anunciou na semana passada medidas para apoiar a economia, incluindo congelar os preços dos combustíveis por 90 dias, aumentar o salário mínimo e modificar os impostos pagos pelos trabalhadores.

Risco padrão

Apesar de uma folga de dois dias no final da semana passada, os swaps de inadimplência do país ainda implicam em uma chance de 86% de inadimplência nos próximos cinco anos, em meio à expectativa de que a oposição populista vencerá a eleição de outubro. 

A queda brutal no peso fez com que a grande quantidade de dívida do país fosse muito mais difícil de ser paga. Em 31 de março, a Argentina tinha US $ 33,7 bilhões em pagamentos de dívida em moeda estrangeira devidos até o final do ano, a grande maioria em títulos do Tesouro de curto prazo.

Leia Mais: Perfil da dívida da Argentina destaca a montanha que deve subir

Em entrevista à Bloomberg TV, Alejo Czerwonko, estrategista de mercados emergentes do UBS Wealth Management, disse que uma surpresa na primeira rodada da Macri aumentaria os ativos, mas é muito improvável. Os argentinos votam nas eleições presidenciais em 27 de outubro e o próximo governo assumirá em 10 de dezembro.

A forte queda no mercado foi motivada por um resultado surpreendente na eleição preliminar de 11 de agosto, que mostrava o candidato da oposição, Alberto Fernandez, à frente de Macri.

Espera-se que uma delegação do Fundo Monetário Internacional chegue a Buenos Aires nesta semana para reuniões com o governo e a oposição antes de decidir se vai desembolsar cerca de US $ 5 bilhões em recursos adicionais no mês que vem. 

As reservas do país caíram US $ 3,9 bilhões na semana passada, para US $ 62,4 bilhões, a menor desde dezembro, agravando as preocupações sobre as finanças do país.

Líder da oposição

Em várias entrevistas com jornais locais no domingo, Fernandez falou sobre o que considerou negociações de dívida bem-sucedidas durante seu tempo como chefe de gabinete que levou a uma reestruturação dos títulos e à necessidade de negociar com os detentores de bônus. 

Embora ele não tenha dito que iria necessariamente pressionar por uma reestruturação, ele disse que “ninguém sabe melhor do que nós o dano causado pela inadimplência”.

“Embora tenha acrescentado alguma clareza em seus pontos de vista, ele não lançou nenhuma luz sobre os futuros membros do gabinete, o que seria necessário para entender suas políticas econômicas de maneira mais concreta”, escreveu um relatório do Citigroup liderado por Dirk Willer.

No final da semana passada, a Fitch Ratings cortou o rating de emissor de longo prazo da Argentina para o CCC de B, colocando o país sul-americano no mesmo nível da Zâmbia e da República do Congo. A S & P seguiu em frente, baixando o rating soberano do país para B- de B e dando uma perspectiva negativa a ele.

“A incerteza continua sobre a predisposição do setor privado de rolar dívidas do governo e manter pesos, enquanto a depreciação enfatiza as altas necessidades de financiamento do governo”, escreveu Lisa Schineller, analista da S & P, em um comunicado que acompanha o rebaixamento. 

A Fitch disse que a deterioração do ambiente macroeconômico “aumenta a probabilidade de inadimplência soberana ou reestruturação de algum tipo”.

Última atualização por Lucas Simões - 19/08/2019 - 12:24