Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Oferta de ações da JBS detidas pelo BNDES deve ter novo atraso, diz Estadão

17/01/2020 - 10:13
jbs
Inicialmente, a oferta era esperada para o final do ano passado, mas foi adiada (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

A tão esperada oferta de ações da JBS (JBSS3) detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não deve sair do papel no prazo esperado. A expectativa do mercado era que o follow-on fosse lançado nesta semana e realizada ainda em janeiro.

De acordo com a edição desta sexta-feira da Coluna do Broadcast, do jornal O Estado de S.Paulo, trâmites internos do banco estão atrasando a operação.

Inicialmente, a oferta era esperada para o final do ano passado, mas foi adiada. Ainda em 2019, o BNDES se desfez de sua fatia na Marfrig (MRFG3), levantando um total de R$ 2 bilhões. A diferença é que o banco de fomento foi “obrigado” a fazer a operação uma vez que a companhia iria fazer de qualquer forma para financiar a compra de ativo.

Desta vez, a oferta de ações da JBS será secundária, com a venda de metade das ações detidas pelo BNDES, recursos que vão para o caixa do banco. Nesta semana, a Minerva (BEEF3) surpreendeu e anunciou uma oferta de ações e já precifica na semana que vem.

A coluna destaca que apesar do atraso com a JBS, a venda das ações ordinárias da Petrobras (PETR4) detidas pelo BNDES está dentro do cronograma previsto e a precificação deve acontecer no dia 4 de fevereiro.

Em dezembro, a BNDESPar informou que escolheu as unidades de banco de investimento de Bradesco (BBDC4), BTG Pactual (BPAC11), Itaú Unibanco (ITUB4), Bank of America e UBS para atuarem como instituições intermediárias na potencial transação.

O BNDES pretende vender 290 milhões de ações, numa oferta de cerca de 7,8 bilhões de reais. Isso corresponde a cerca de metade da participação de 21,3% do banco na companhia.

A venda faz parte dos planos do BNDES de alienar a maior parte de sua carteira de ações de 110 bilhões de reais, enquanto o governo do presidente Jair Bolsonaro tenta reduzir a presença do Estado brasileiro na economia.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 17/01/2020 - 10:13