Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Órama prevê avanço de 2,5% do PIB em 2020 com aprovação de reformas

16/01/2020 - 12:46
Bandeira do Brasil
A projeção é de que a taxa Selic permaneça no patamar de 4,5% ao ano (Imagem: Pixabay)

Dentro de um contexto que inclui a aprovação das reformas administrativa e tributária, além de um cenário externo favorável, mesmo com a tensão no Oriente Médio, a economia brasileira deve apresentar crescimento em 2020, de 2,3% a 2,5%. Essa é a avaliação de Alexandre Espirito Santo, economista da plataforma de investimentos Órama.

A análise faz parte do e-book “Cenários e Investimentos 2020”, elaborado com apoio da consultora de investimentos Sandra Blanco, expondo as perspectivas da casa de cenários macroeconômicos e de investimentos para o ano.

“Nossa aposta é que a locomotiva para um PIB nesse patamar será o consumo das famílias, a ser favorecido pela queda dos juros e aumento do crédito, bem como pelo retorno do investimento empresarial”, explica Espirito Santo.

Para os juros, a projeção é de que a taxa Selic permaneça no patamar de 4,5% ao ano, por um período mais longo, diante de um quadro de inflação benigno. Segundo os cálculos do economista, o IPCA será de 3,9% em 2020. Já o dólar deve oscilar em torno de R$ 4,20 no primeiro trimestre e fechar o ano a R$ 4,10.

Em meio a este cenário, com o juro real entre 0% e 1%, será preciso abrir mão da previsibilidade de retornos de curto prazo para alcançar ganhos acima da inflação nos médio e longo prazos.

“Em renda fixa, destacamos a importância de manter apenas a reserva para as emergências, com o mínimo de seis vezes o total de gastos mensal, em aplicações de baixo risco — como o Tesouro Selic ou o fundo Órama DI –, em percentual limitado a 40%”, explica Sandra Blanco. Para superar o CDI, acrescenta, a orientação é aplicar em títulos ou fundos de crédito privado e estruturados, e alongar os horizontes.

Quando o assunto é renda variável, a recomendação é comprar ações e seus derivativos e investir em fundos de ações. O investidor de perfil conservador deve ter 10% dos recursos investidos; e o de perfil arrojado pode alocar mais nesta classe, caso decida diversificar.

“Já em estratégias diferenciadas, com os fundos multimercado e imobiliários, sugerimos um mínimo de 30%”, orienta.

O ouro e o câmbio são opções para uma carteira que estiver mais exposta ao risco, pois também podem servir como hedge.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 16/01/2020 - 12:46

Cotações Crypto
Pela Web