Papéis ‘da pandemia’ seguirão reforçando os negócios da Klabin, Suzano e seu pares

17/11/2021 - 14:21
Papel e Celulose
Celulose de fibra natural tem curva de crescimento forte para os próximos anos no Brasil (Imagem: EBC)

Dos produtos derivados da celulose, os novos paradigmas tecnológicos não conseguiram relegar a um plano secundário os papéis de higienização e os de embalagens de alimentos. E a pandemia tratou de colocá-los, de vez, a frente dos produtos para escritórios e gráficas.

Bom para a Klabin (KLBN3) e a Suzano (SUZB3), entre os principais participantes do mercado de celulose e papel, e para as outras, como Eldorado, Bracell, CMPC, LD Celulose, que estão em processos de ampliação de suas plantas visando também esses nichos de mercado.

Papéis tissue (higiênico, lenços e toalhas), empurrados pelos cuidados contra a covid, e cartão (embalagens de alimentos), graças ao food service, seguirão embrulhando para presente os resultados das empresas, segundo dados da Valmet.

Principal fornecedora global de tecnologias em equipamentos para o setor, a multinacional identifica, por exemplo, que a produção de celulose aumentará em torno de 20% até 2025, no Brasil. E aumentará a distância que o País mantém, sobre os outros, na liderança do fornecimento mundial.

Para a América do Sul toda, a capacidade produtiva deverá crescer 35% até 2030, segundo projeções do player finlandês, assinadas pelo direto de Celulose e Energia, Fernando Scucuglia.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 17/11/2021 - 14:25

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web