Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Parlamentares encaram comitê contra Covid-19 com cautela, mas apostam na participação do Congresso

24/03/2021 - 20:43
Bolsonaro e outras autoridades
É um discurso a mais porque a popularidade dele foi lá embaixo. Ele está sendo tratado em todo o mundo como um presidente fora de órbita (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

O comitê de combate à Covid-19 anunciado nesta quarta-feira não terá efeitos práticos se servir apenas de maquiagem para o discurso do presidente Jair Bolsonaro, avaliam parlamentares, que, por outro lado, nutrem a expectativa de mais credibilidade e transparência com a participação do Congresso e de outros atores.

Um dia depois do país ultrapassar a marca das três mil mortes causadas pela doença em apenas 24 horas, acuado pela cobrança sobre a falta de ação e pressionado por aliados, o presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã desta quarta-feira, após mais de duas horas de reunião entre os presidentes dos Poderes, ministros e governadores, a criação do comitê, com a responsabilidade de definir as ações do combate à epidemia de Covid-19, em coordenação com os governadores.

O vice-presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR), avaliou que o governo vem sendo alertado há um ano sobre a gravidade da pandemia e a necessidade de se tomar medidas coordenadas, mas o presidente optou por se colocar “a favor do vírus circular”.

Para o deputado, o anúncio do comitê configura parte da estratégia de Bolsonaro para amenizar o recente desgaste à sua imagem após o acirramento da crise do coronavírus no país.

Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

“É um discurso a mais porque a popularidade dele foi lá embaixo. Ele está sendo tratado em todo o mundo como um presidente fora de órbita”, disse Bueno, lembrando do que considerou um “pronunciamento de muita mentira” em rede nacional de rádio e TV do presidente na véspera.

Na fala, Bolsonaro culpou a nova variante, defendeu ações do governo e afirmou que fará de 2021 o ano da vacinação no Brasil, em uma visível mudança de tom, já que a imunização foi alvo frequente de minimizações e ridicularizações pelo presidente.

Bueno considera, no entanto, “um bom sinal” o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), assumir o papel de interlocução com os governadores, justamente por seu perfil “mais equilibrado”. O comitê irá reunir representantes da Executivo, Câmara e Senado, coordenado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e irá definir as medidas nacionais de combate à epidemia.

“Agora, que saia algo daí, especialmente do presidente do Senado e do presidente da Câmara. E deles espero uma posição muito firme”, afirmou, acrescentando que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), “também tem um papel muito importante”.

A sugestão da reunião ampla desta quarta-feira, aliás, partiu de Pacheco, na última semana, em meio a um clima de muita apreensão de senadores com a situação de seus Estados.

Mais incisivo, o líder da Minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), alertou que o problema está na condução do presidente da República e que, por isso, há poucas chances de sucesso.

“Qualquer pacto ‘contra a Covid’ que não contemple uma profunda mudança de postura do presidente e até do governo será apenas um pacto para salvar Bolsonaro, nunca um plano para salvar a população”, afirmou.

“Chega de inventar maquiagem. O problema está na raiz deste governo e se chama Bolsonaro, o negacionista sem empatia, defensor de remédios inócuos…. É preciso que ele faça uma autocrítica pública de seu boicote às medidas sanitárias e da negligência com a compra de vacinas, medicamentos e insumos.”

Em avaliação semelhante, o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) considera que o comitê “servirá apenas de plataforma para o presidente difundir seu discurso e suas práticas criminosamente negligentes em relação à pandemia”. Para ele, “os presidentes dos Poderes e os governadores estão caindo numa armadilha”.

Expectativa de Transparência

Outros preferiram confiar na participação do Congresso e demais atores no comitê como forma de conferir mais peso e transparência às medidas.

“O comitê Covid é bem-vindo para funcionar como um centralizador de informações, responsável por gerenciar crises, com transparência de informações, de dados, informações que sejam checadas, que ajudem a acalmar a população, que pontuem sobre estoques de oxigênio, insumos, kit intubação”, disse à Reuters o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (DEM-PB).

“Isso tem gerado muito ruído na sociedade e nesse viés, o comitê pode ajudar a trazer mais credibilidade no trato das informações e ajudar a apontar uma rota de saída para a crise”, avaliou o deputado.

Transparência, aliás, foi um termo em voga nesta quarta, dia em que o Ministério da Saúde chegou a alterar o sistema de registro de óbitos por Covid-19, exigindo dados como o número de CPF e do Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) dos mortos.

A pasta voltou atrás, depois, suspendendo a necessidade da informação a pedido dos conselhos dos secretários de Saúde estaduais e municipais, o Conass e o Conasems.

O vice-líder do maior bloco da Câmara, que deu sustentação à eleição de Athur Lira, Fábio Trad (PSD-MS), não desmereceu a iniciativa, avaliando que “nunca é tarde para a convergência política dos poderes e das forças políticas no enfrentamento à pandemia”.

“Mas não tem como deixar de imaginar quanta vidas seriam poupadas se essa iniciativa do presidente fosse tomada em março do ano passado”, ponderou.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 24/03/2021 - 20:43

Pela Web