Comprar ou vender?

Perdeu o gás: Com frustração sobre juros, estrategista vê Ibovespa subindo menos em 2024; ainda vale investir na bolsa?

27 mar 2024, 16:23 - atualizado em 27 mar 2024, 16:23
ibovespa-ibov-acoes-mercados
Até o fim do ano, o Ibovespa deve chegar aos 144.600 pontos, diz Genial Investimentos (Imagem: Divulgação/B3)

O otimismo que contagiou o mercado financeiro no fim do ano passado levou diversos bancos e corretoras a atualizarem positivamente suas projeções para o principal índice da bolsa brasileira. Agora, com os últimos desdobramentos, principalmente no que diz respeito à condução da política monetária no Brasil e nos Estados Unidos, analistas parecem começar a desviar a rota.

É o caso da Genial Investimentos, que cortou o preço-alvo do Ibovespa ao fim de 2024. No entanto, apesar de as estimativas estarem menores, a corretora ainda vê potencial de valorização para o índice, considerando os patamares atuais com os quais ele é negociado (zona dos 127.000 pontos).

Na avaliação da Genial, até o fim do ano, o Ibovespa deve chegar aos 144.600 pontos, contra os 151.000 projetado anteriormente.

  • Já sabe onde investir agora que as empresas estão divulgando seus balanços do 4T23? Veja análises completas da Empiricus Research e saiba se você deve comprar, vender ou se manter neutro em cada uma das principais ações da bolsa. Clique aqui para receber os relatórios GRATUITOS.

Por que a revisão baixista para o Ibovespa?

Segundo a Genial, com a falta de interesse em ativos brasileiros, principalmente da parte do investidor estrangeiro, o Ibovespa se posiciona atualmente como uma das bolsas globais de pior desempenho em dólares.

A casa avalia que a falta de interesse dos gringos “reforça a previsão de que o ano será mais desafiador do que estimado anteriormente”.

Outros fatores, como as incertezas que rodeiam a China e a recuperação de sua economia e as intervenções políticas nas estatais (o que afeta a tese da Petrobras, uma das ações de maior peso para o Ibovespa), acabam jogando mais pressão sobre a bolsa doméstica.

Além disso, com os bancos centrais brasileiro e americano passando a adotar discursos mais hawkish (agressivos) em relação aos juros, minguando as expectativas mais positivas em relação ao ciclo de flexibilização monetária, a Genial entende que o Ibovespa aos 144.600 pontos reflete melhor os desafios enfrentados pelo mercado brasileiro.

Ibovespa está uma pechincha?

Apesar do cenário mais arisco, a Genial destaca que os ativos brasileiros seguem negociados com desconto em relação à sua média histórica.

De acordo com a corretora, o Ibovespa é negociado a 7,9 vezes P/L (Preço/Lucro) projetado para os próximos 12 meses, contra a média histórica de 11 vezes. Isso implica um desconto de 28%, diz.

Excluindo Petrobras (PETR4) e Vale (VALE3), o índice está sendo negociando a 10,3 vezes P/L projetado para os próximos 12 meses, ainda abaixo da média histórica de 12,2 vezes.

“O earnings yield do Ibovespa segue acima da sua média histórica e com taxa de retorno superior a média de retorno dos juros da NTN-B de 10 anos, mesmo após a alta recente. Mais um sinal de atratividade da bolsa brasileira”, destaca Filipe Villegas, estrategista de ações da Genial, em relatório atualizado nesta quarta-feira (27).

A instituição reforça que  o Ibovespa apresenta uma assimetria positiva para entradas, assim como o Índice Small Cap (SMLL).

“Ambos os índices oferecem uma assimetria positiva para novas entradas, representando oportunidades para investidores no mercado de ações brasileiro”, conclui.

Editora-assistente
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin