Empresas

Petrobras (PETR4) assina protocolo de intenções com o governo do Rio de Janeiro; entenda

18 jun 2024, 18:25 - atualizado em 18 jun 2024, 18:25
dividendos petrobras ibovespa wall street morning times magda chambriard
Serão avaliados diversos aspectos da geração eólica offshore, segundo a empresa. (Imagem: REUTERS/Sergio Moraes)

A Petrobras (PETR4) assinou nesta terça-feira (18) um protocolo de intenções com o governo do Estado do Rio de Janeiro para a realização de estudos conjuntos para a avaliação da viabilidade de implantação de um projeto piloto de energia eólica offshoreaquela que utiliza a força dos ventos no mar para a produção de energia renovável.

O acordo, segundo a empresa, prevê o estabelecimento de mecanismos de cooperação, com o alinhamento do projeto aos programas e políticas estaduais e fomento de ações de melhoria da região onde o piloto será implementado.

A Petrobras diz que a construção de um projeto piloto de geração eólica no mar do Rio de Janeiro possibilitará o teste e qualificação de novas tecnologias. “Isto contribuirá para a definição de elementos de aumento de competitividade e dos principais desafios a serem superados para o desenvolvimento de futuros projetos em escala comercial”.

Serão avaliados diversos aspectos da geração eólica offshore, de modo a identificar seus gargalos e desafios técnicos, considerando as particularidades de uma das regiões do país com maior potencial de geração offshore, que também apresenta potencial para integração com a descarbonização das atividades de E&P da Petrobras.

A empresa já vem realizando, desde 2020, uma campanha de medição de potencial eólico com a tecnologia Lidar (Light Detection and Ranging) na Plataforma de Rebombeio Autônoma (PRA-1), na Bacia de Campos.

A cooperação com o estado do Rio de Janeiro se soma ao protocolo de intenções divulgado em 2023, para a avaliação conjunta da implementação do piloto de um hub de captura e armazenamento de CO2 relativo ao desenvolvimento de projeto no norte fluminense com capacidade para armazenar 100 mil toneladas de CO2 por ano.

Veja o documento divulgado pela Petrobras

 

Editor
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.