AgroTimes

PIB do agronegócio deve crescer mais de 10% em 2023, aponta relatório

21 mar 2023, 11:40 - atualizado em 21 mar 2023, 12:01
Agronegocio, agropecuária
Itaú BBA prevê safra recorde em 2023, com destaque para soja e milho, que têm impulsionado o Produto Interno Bruto do setor (Imagem: Jaelson Lucas/Agência de Notícias do Paraná)

O Itaú BBA prevê umaumento de 10,1% para o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio neste ano. A estimativa consta no relatório divulgado na semana passada com perspectivas econômicas para março e para o ano de 2023. As estimativas levam em conta o Levantamento Sistemático de Produção Agrícola (LSPA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a economista do Itaú BBA, Natalia Cotarelli, apesar dos impactos do fenômeno La Niña, que provocou fortes impactos na produção agrícola do Rio Grande do Sul, a estimativa é para uma safra recorde em 2023. O destaque positivo fica com as culturas de soja e milho.

Após a oleaginosa registrar forte quebra no último ciclo, o que contribuiu de forma significativa para um PIB do Agro negativo no ano passado, a expectativa é para uma alta de 21,3% para a soja.

“Pensando no perfil da colheita, a soja é bastante concentrada no 1º trimestre do ano. Portanto, o produto deve gerar um impacto positivo para a atividade no período. A projeção é de um crescimento de 1% na margem, com ajuste sazonal no PIB do 1º trimestre de 2023, sendo que destes, 0,5 ponto percentual é resultado do PIB do Agro. Já para o milho, a estimativa de crescimento é de 5,1%“, explica Cotarelli.

Entre as lavouras que também devem registrar alta na produção, estão: cana-de-açúcar, algodão e fumo. Do lado negativo, porém, deve haver redução na produção de trigo e arroz devido à estiagem no Rio Grande do Sul.

Nesta terça-feira (21), a soja e o milho iniciaram o dia com altas na abertura do mercado.

Confira o relatório completo do Itaú BBA:

Perspectivas econômicas Março de 2023 by Pasquale Augusto on Scribd

Repórter
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Money Times desde março de 2023. Antes disso, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, programa exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.
Linkedin
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Money Times desde março de 2023. Antes disso, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil, que cobre o ciclo da oleaginosa do plantio à colheita, e do Agro em Campo, programa exibido durante a Copa do Mundo do Catar e que buscava mostrar as conexões entre o futebol e o agronegócio.
Linkedin