Juro do Plano Safra não foi “engana bobo” ao encurtar o mix com crédito a taxa livre, diz economista

Giovanni Lorenzon
30/06/2022 - 14:41
Agronegócio Colheita Lavoura Agricultura Máquinas Agrícolas Terras
Juros mais baixos do PS forçaria o produtor buscar mais dinheiro nos bancos (Imagem: Unsplash/Charles G)

O produtor rural da linha do médio para cima sabe de cor e salteado que não basta um Plano Safra (PS) para ter acesso ao total de recursos necessitados a juros subvencionados. É melhor que se contente em pagar 12% de taxas no novo programa lançado a ter de fazer um mix muito maior a juros livres.

Além de histórico é coerente com o momento econômico, segundo se pode traduzir de Antônio da Luz, economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul).

Aos bancos cabem a decisão de aceitar ou não o tamanho do risco proposto pelo produtor. E, nos últimos planos, não só o crédito subsidiado acabou rápido, como agora o governo aumentou muito mais o dinheiro privado sem subsídio, daí a coerência.

Então, lembra o especialista, “se o produtor fosse pedir R$ 100, talvez levasse só a metade a juros de um dígito”. O restante, 50%, o agricultor precisaria se socorrer com custo médio balizado pela Selic, hoje em 13,25%.

Seria o caso, portanto, do “engana bobo” se o governo anunciasse juros abaixo de 10% para essa categoria mais robusta de agricultores, comenta Da Luz.

Agora, pedindo R$ 100, e pagando 12%, pode conseguir uns R$ 80, e terá apenas R$ 20 para buscar no mercado.

Encurta a despesa mais cara que o produtor teria com custeio, comercialização ou investimento, diante dos bancos ávidos por terem maior freguesia a recursos próprios livres (RPL) que subiu 69%, a R$ 145,18 bilhões, acentua o economista da Farsul.

Dos R$ 340,8 bilhões do PS 22/23, mais 36% sobre o anterior, R$ 98,4 bilhões estarão à disposição a taxa de 12%. Com juros de um dígito, apenas as linhas do Pronaf (agricultura familiar), de 5% a 6%, e do Pronamp (médio produtor), em 8%.

O total de recursos controlados é de R$ 195,7 bilhões (mais 18%), com ou sem equalização pelo Tesouro Nacional teve incremento de apenas 18%.

 

Siga o Money Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com jornalistas e leitores do Money Times. Nosso time traz as discussões mais importantes do dia e você participa das conversas sobre as notícias e análises de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. Siga agora a página do Money Times no Facebook!

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 30/06/2022 - 15:12

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado agro?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto