Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Presidente da Argentina estabelece prazo de 31 de março para renegociar dívida do país

13/01/2020 - 8:56
Argentina Bandeira
A Argentina está conversando com os detentores de títulos e outros credores para reestruturar cerca de 100 bilhões de dólares em dívida (Imagem: Reuters/Marcos Brindicci)

O presidente argentino Alberto Fernández disse que estabeleceu o prazo de 31 de março para renegociar a dívida pública galopante da Argentina e que um Fundo Monetário Internacional mais “inovador” aprova a direção que seu governo está tomando.

A Argentina está conversando com os detentores de títulos e outros credores para reestruturar cerca de 100 bilhões de dólares em dívida, entre eles o FMI, a quem deve cerca de 44 bilhões de dólares.

“Acho que daqui até 31 de março nossa trajetória ficará muito clara”, afirmou Fernández em entrevista publicada no domingo pelo site de notícias online El Cohete A La Luna. “Esse é o teto que estabelecemos, porque há vencimentos significativos”.

Fernández, um peronista moderado de centro-esquerda, foi eleito em outubro com um mandato encarregado de pôr fim a dolorosos cortes fiscais implementados por seu antecessor, Mauricio Macri.

Fique longe destas 3 ações: saiba quais ativos são ‘furada’ segundo analista da Empiricus

Presidente da Argentina, Alberto Fernández
Fernández, um peronista moderado de centro-esquerda, foi eleito em outubro (Imagem: Reuters/Mariana Greif)

Os partidários de Fernández esperam mais gastos do Estado para ajudar as famílias que lutam em meio ao baixo crescimento, aumento da pobreza e inflação acima de 50%.

Depois de assumir a presidência há pouco mais de um mês, seu governo anunciou planos para aumentar os impostos sobre as exportações agrícolas, bem como esforços para obter receita com ativos estrangeiros e dólares de turismo argentino gastos no exterior.

As medidas trouxeram críticas da oposição, mas, segundo Fernández, conquistaram a aprovação do FMI.

“Tudo que foi proposto até agora foi visto como pontos de partida essenciais para ajustar a economia”, disse Fernández sobre as negociações iniciais do governo com a instituição financeira global.

Autoridades do FMI em Buenos Aires não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Fernández disse que a nova diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, está buscando uma abordagem mais “inovadora” do que sua antecessora, Christine Lagarde.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Lucas Simões - 13/01/2020 - 8:56

Pela Web