BusinessTimes

Privatização: Copel (CPLE6) lançará oferta até próxima quarta; veja quanto elétrica quer levantar

25 jul 2023, 16:29 - atualizado em 25 jul 2023, 20:24
Copel
Tende a ser uma das maiores importantes do ano, seja pelo tamanho seja pela essência da privatização (Imagem: Divulgação/Copel)

A Copel (CPLE6) anunciou que planeja lançar até quarta-feira a oferta de ações que levará à sua privatização, no que deverá ser uma das principais operações do mercado acionário brasileiro neste ano.

Em fato relevante divulgado nesta terça-feira, a companhia paranaense disse que o potencial “follow on” poderia levantar entre 4,3 bilhões e 5 bilhões de reais, com base no preço de fechamento de sua ação na véspera.

A companhia elétrica disse ainda que a operação deve ser constituída por emissão primária de ações, além da oferta secundária que terá como vendedor o Estado do Paraná.

Segundo uma fonte próxima da operação, que falou sob condição de anonimato, a companhia e os bancos envolvidos se esforçaram para lançar a oferta dentro desta janela de mercado para aproveitar as condições favoráveis para a operação.

“Tende a ser uma das maiores importantes do ano, seja pelo tamanho seja pela essência da privatização”, disse.

Caso a companhia demorasse mais algumas semanas para lançar a operação, poderiam afetar o roadshow e a precificação da oferta as férias de verão no Hemisfério Norte durante o mês de agosto e eventuais restrições da CVM, com a Copel eventualmente tendo que utilizar o balanço do segundo trimestre como referência para a operação.

O “follow on” de privatização, inspirado nos moldes do realizado pela Eletrobras (ELET6), deve ir a mercado mesmo sem haver definição sobre pontos considerados importantes para a operação que estão pendentes de análise por órgãos de controle.

O Tribunal de Contas da União (TCU) ainda precisa definir o bônus de outorga bilionário que a Copel deverá pagar pela renovação da concessão de três usinas hidrelétricas, em operação atrelada à oferta de privatização. O processo começou a ser apreciado pelo plenário da Corte no início de julho, mas foi interrompido por um pedido de vista do ministro Vital do Rêgo.

O ministro disse que poderia trazer o caso novamente ao plenário antes do prazo regimental de 30 dias, que encerra no início de agosto. Por ora, o processo não entrou na pauta de julgamento do TCU desta semana.

Segundo a fonte, o processo no TCU não é enxergado como complexo, estando praticamente “equacionado”, uma vez que se trata apenas da aprovação de um cálculo feito pelo Ministério de Minas e Energia, com base em premissas já utilizadas em outros casos precedentes de renovação de concessões hidrelétricas.

Em paralelo, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Paraná deverá fixar o preço mínimo para que o governo venda suas ações na oferta. Assim como no caso da Eletrobras, esse preço não se tornará público.

Procurada, a Copel disse que não iria comentar.

A companhia paranaense é uma das últimas elétricas ainda estatais do Brasil. Entre as grandes empresas do setor, restam como estatais a mineira Cemig e a catarinense Celesc.

Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.