Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

Projeto acaba com direito de preferência da Petrobrás na camada do pré-sal

26/11/2020 - 18:13
Paulo Ganime
Para o deputado Paulo Gamine, o atual regime de partilha tem elevado risco de intervenção estatal e possibilita a reserva de mercado para a Petrobras (Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O Projeto de Lei 5007/20 acaba com o direito de preferência da Petrobras (PETR4; PETR3) na operação dos blocos localizados na camada de pré-sal. O texto, que tramita na Câmara dos Deputados, também determina que as novas áreas do pré-sal serão exploradas pelo regime de concessão, e não mais pelo de partilha, como é hoje.

A proposta é de autoria do deputado Paulo Ganime (Novo-RJ) e reformula a Lei 12.351/10, que criou o regime de partilha. A mudança, segundo Ganime, visa assegurar um ambiente competitivo para o desenvolvimento dos campos de petróleo do pré-sal.

Pela lei, a Petrobras tem direito de preferência sobre os blocos que serão licitados. Uma vez escolhidos, ela se torna a operadora, com participação mínima de 30%. Isso significa que cabe a ela ditar o ritmo da exploração e dos investimentos, que tem que ser seguido pelos outros sócios.

Para o deputado, a regra prejudica a exploração da camada. “Tal obrigação é uma situação que desestimula fortemente a atração de investimentos e a concorrência nos leilões do pré-sal. Isso é incompatível com a exploração de um recurso natural de tamanha relevância para o País”, disse Ganime.

Regime

O deputado também critica o regime de partilha, que é adotado exclusivamente na exploração da camada de pré-sal. Para ele, o modelo tem elevado risco de intervenção estatal e possibilita a reserva de mercado para a Petrobras nos leilões dos blocos.

Nos contratos de partilha a União torna-se sócia das empresas que vão explorar os blocos licitados, recebendo parte do petróleo e o gás natural extraídos, além de compensação financeira (royalties e bônus de assinatura).

No regime de concessão a exploração é feita exclusivamente por conta e risco das empresas arrematantes dos blocos, que ficam com todos os hidrocarbonetos extraídos e pagam compensação ao Estado (royalties, bônus de assinatura e, quando for o caso, participação especial).

“Os mesmos resultados, inclusive financeiros para União, estados e municípios poderão ser obtidos de forma mais eficiente e simples pelo regime de concessão. Além disso, elimina-se a necessidade da União ser um vendedor de petróleo e gás natural”, disse Ganime.

Outros pontos

O projeto altera ainda outros pontos da lei. Os principais são:

– Havendo concordância, os atuais contratos de partilha firmados pela União com a Petrobras e consórcios privados poderão migrar para o modelo de concessão;

– Não poderá haver privilégio, benefício, preferência ou vantagem concorrencial nas licitações destinadas à exploração e à produção de petróleo e gás natural no pré-sal;

– Os consorciados poderão designar, a qualquer tempo, outro operador; e

– Acaba com a exclusividade da Petrobras como único agente autorizado a vender o petróleo e gás recebidos pela União no regime de partilha.

O projeto de lei também define que a parcela do excedente em óleo destinada à União poderá ser paga em espécie pelo consórcio. Hoje é paga em produtos (petróleo e gás).

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Bruno Andrade - 26/11/2020 - 18:13