Economia

Projeto de Bolsonaro deve ajudar governo Lula e Haddad festeja: “revolucionário”

05 ago 2023, 12:54 - atualizado em 05 ago 2023, 12:54
Secovi marco das garantias projeto lei imóveis empréstimos lula congresso câmara garantia real retomada bens juros spread haddad bolsonaro crédito febraban
Marco das Garantias, proposto pelo governo Bolsonaro, foi abraçado pelo ministro da Fazenda de Lula, Fernando Haddad (Imagem: Pixabay/mohamed_hassan)

Um projeto de lei apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro e em fase final de tramitação no Congresso tem tudo para ajudar o crescimento da economia, durante o terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva. Trata-se do Marco Legal das Garantias (Projeto de Lei Nº 4188/2021), que pretende reduzir o custo do crédito e, por tabela, estimular o consumo.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, embora o projeto não seja tão badalado, quanto o arcabouço fiscal ou a reforma tributária, o Marco das Garantias é tratado como prioridade pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e pela equipe econômica de Lula, e deve ser apreciado nas próximas semanas. O texto foi proposto inicialmente na Câmara e sofreu mudanças no Senado. Por isso, precisa retornar à casa de origem para revisão.

Entre as novidades propostas, está a permissão para que um mesmo imóvel quitado seja dado como garantia para mais de um empréstimo. Atualmente, esse bem só pode estar vinculado a uma operação de crédito por vez.

Com a mudança, o proprietário poderá tomar diversos empréstimos simultaneamente, tendo o mesmo imóvel como contrapartida. Além disso, o projeto facilita a retomada de bens dados como garantia ou adquiridos por meio de financiamento, como automóveis.

Em conjunto, espera-se que as mudanças reduzam o custo do crédito para os bancos e, por consequência, os juros caiam para o tomador. Isto porque, na média, operações de crédito com garantias reais apresentam taxas de juros menores que as que não contam com esse tipo de garantia, como os empréstimos pessoais e o crédito rotativo do cartão.

Projeto de Bolsonaro “vai revolucionar” economia de Lula

“Hoje, a população toma muito crédito sem garantia, que é bem mais caro do que o com garantia”, afirmou ao Estadão o secretário de Reformas Econômicas do Ministério da Fazenda, Marcos Pinto.

O jornal acrescenta que as mudanças incorporadas no Marco das Garantias atendem a reivindicações da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), que atribui o elevado spread (diferença entre o custo do dinheiro para o banco e os juros pagos pelo tomador do empréstimo) à falta de garantias reais, à elevada inadimplência e à dificuldade em retomar os bens.

Pinto, da Fazenda, afirmou também ao Estadão que, “assim que o projeto for aprovado, já haverá uma mudança no patamar de juros para os veículos”. No caso de múltiplos empréstimos tendo um único imóvel como garantia, o impacto nos juros deve demorar cerca de seis meses, já que os bancos terão uma fase de adaptação.

De qualquer modo, mesmo gerado pelo governo Bolsonaro, os potenciais benefícios para a economia levaram o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, a declarar que o Marco das Garantias “vai revolucionar o crédito no Brasil”, segundo o Estadão. Quem diria, companheiros…

Leia a íntegra do Projeto de Lei 4.188/21, o Marco das Garantias, aprovado pelo Senado e em revisão na Câmara.

Diretor de Redação do Money Times
Ingressou no Money Times em 2019, tendo atuado como repórter e editor. Formado em Jornalismo pela ECA/USP em 2000, é mestre em Ciência Política pela FLCH/USP e possui MBA em Derivativos e Informações Econômicas pela FIA/BM&F Bovespa. Iniciou na grande imprensa em 2000, como repórter no InvestNews da Gazeta Mercantil. Desde então, escreveu sobre economia, política, negócios e finanças para a Agência Estado, Exame.com, IstoÉ Dinheiro e O Financista, entre outros.
Linkedin
Ingressou no Money Times em 2019, tendo atuado como repórter e editor. Formado em Jornalismo pela ECA/USP em 2000, é mestre em Ciência Política pela FLCH/USP e possui MBA em Derivativos e Informações Econômicas pela FIA/BM&F Bovespa. Iniciou na grande imprensa em 2000, como repórter no InvestNews da Gazeta Mercantil. Desde então, escreveu sobre economia, política, negócios e finanças para a Agência Estado, Exame.com, IstoÉ Dinheiro e O Financista, entre outros.
Linkedin