Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Queda das exportações de petróleo da Venezuela agrava crise

22/06/2020 - 14:42
nicolás maduro
O regime de Maduro já enfrenta uma crise humanitária agravada pela pandemia de coronavírus, que encolhe a demanda doméstica por combustíveis (Imagem: Zurimar Campos/AFP)

A receita do petróleo, o salva-vidas financeiro da Venezuela, está secando de forma acelerada, o que aumenta a instabilidade do regime de Nicolás Maduro.

As exportações de petróleo, que antes respondiam por 95% das entradas de moeda estrangeira no país, caíram quase pela metade neste mês, depois de atingir o menor nível em 73 anos em maio.

A queda coincide com as sanções dos EUA à Venezuela, que tem uma das maiores reservas de petróleo do mundo.

O regime de Maduro já enfrenta uma crise humanitária agravada pela pandemia de coronavírus, que encolhe a demanda doméstica por combustíveis.

A expectativa é que apenas mais um petroleiro seja carregado para os 12 dias restantes do mês, segundo documentos. A Venezuela costumava carregar dois navios por dia há dois anos, antes da imposição de sanções financeiras.

Os tanques de armazenamento de petróleo no país estão quase cheios, obrigando operadores a paralisarem a produção em níveis nunca vistos desde o final da Segunda Guerra Mundial.

É quase impossível vender petróleo a clientes estrangeiros com a maioria dos petroleiros reservados para exportar petróleo obrigados a cancelamentos devido às sanções do governo Trump.

“Sem o dinheiro do petróleo, a vida fica muito mais difícil para Maduro”, disse Diego Moya-Ocampos, consultor de risco político da IHS Markit, em Londres.

“Ele terá que depender mais da mineração de ouro e atividades ilegais, como o tráfico de drogas, para pagar por seu aparato de segurança.”

Petróleo
Os tanques de armazenamento de petróleo no país estão quase cheios, obrigando operadores a paralisarem a produção em níveis nunca vistos desde o final da Segunda Guerra Mundial (Imagem: REUTERS/Nick Oxford)

Os embarques de petróleo, usados para a troca por combustíveis e alimentos, caíram para 167.222 barris por dia neste mês até quinta-feira passada, queda de 45% em relação ao mesmo período em maio, segundo dados de programas de carregamento e rastreamento de navios compilados pela Bloomberg.

Depois que os EUA impuseram sanções à empresa mexicana Libre Abordo e sua afiliada Schlager Business, a Venezuela começou a depender de remessas para Cuba, sua aliada, para a refinaria italiana Eni e para a Repsol, da Espanha.

Tanto a Eni quanto a Repsol já disseram que estão recebendo petróleo como pagamento para liquidar dívidas antigas.

“A Repsol recebe cargas como pagamento de dívidas pendentes”, disse o porta-voz Kristian Rix em e-mail. “A Repsol cumpre totalmente as leis e regulamentos internacionais e, claro, continuará cumprindo.”

A Eni está recuperando recebíveis da PDVSA por meio do fornecimento de petróleo em total conformidade com as sanções dos EUA, segundo comunicado da empresa.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 22/06/2020 - 14:42

Cotações Crypto
Pela Web