Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Raia Drogasil prova que está à frente de seus pares e BB eleva recomendação para compra

28/10/2020 - 16:35
Drogasil
O BB revisou o preço-alvo da companhia para R$ 31,40 (antes R$ 22,20) até o final de 2021, potencial de valorização de 20,4% (Imagem: Linkedin/Drogasil)

O resultado da Raia Drogasil (RADL3) agradou os analistas do BB Investimentos. Para a corretora, os números comprovaram a resiliência da empresa, mesmo em períodos de crise. No ano, as ações da companhia subiram 17,3%.

“Ao nosso ver, essa valorização se deve, em parte, a sua capacidade de execução superior aos seus concorrentes, dada sua habilidade de manter uma expansão acelerada combinada com manutenção de rentabilidade”, afirmou os analista Georgia Jorge.

Com isso, o BB revisou o preço-alvo da companhia para R$ 31,40 (antes R$ 22,20) até o final de 2021, potencial de valorização de 20,4%, e alterou a recomendação de neutra para compra.

“Nossa aposta é de que a Raia Drogasil deverá continuar sustentando essas vantagens competitivas frente à concorrência”, pontuou.

Resultados

A Raia Drogasil teve lucro líquido de R$ 174,7 milhões no terceiro trimestre, crescimento de 19,5% em relação ao mesmo período anterior. A receita bruta atingiu R$ 5,4 bi, um aumento de 12,8% em comparação ao ano passado e 5,4% superior às expectativas do BB.

Excluídas as lojas de shoppings, o crescimento de vendas mesmas lojas teria sido de 10,6%, ante 6,7% reportados pela Drogasil.

“As vendas foram impactadas negativamente pela Covid-19, em especial em decorrência das restrições no horário de funcionamento das lojas de shoppings”, diz o analista.

Já a margem bruta teve um ligeiro aumento na comparação anual favorecida pelo efeito de pré-alta, mas impactado por maiores investimentos em promoções.

Outro ponto que recebeu elogios foi o e-commerce, que ganhou ainda mais importante com a pandemia. Houve um
incremento das vendas desse segmento, que atingiu 7,1% do total neste trimestre, 4,6 pontos percentuais superior ao observado no ano anterior.

“A pequena alta de margem bruta, contudo, foi consumida pelo incremento das despesas gerais e administrativas
superior ao crescimento da receita, em função dos investimentos em estrutura digital”, observou.

Mirando para o futuro

Para os próximos trimestres, o analista aposta na abertura de lojas (a empresa pretende abrir 240 novos estabelecimentos em 2021 e 2022), maior expansão geográfica e o desenvolvimento da estratégica omnicanal, buscando agregar cada vez mais conveniência aos seus clientes.

Porém, Jorge também aponta alguns riscos, como o aumento da concorrência em decorrência da capitalização e crescimento de vendas abaixo do esperado.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 28/10/2020 - 16:52