Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Red Bull vende 7,5 bilhões de latas ao saciar sede de emergentes

17/02/2020 - 17:47
Red Bull
A Red Bull é controlada por Mateschitz e pela família de Yoovidhya, e ambos se tornaram bilionários graças ao tônico que inventaram (Imagem: Pexels)

As vendas da Red Bull subiram tanto no ano passado que a fabricante austríaca poderia ter fornecido uma lata de sua bebida energética para cada habitante do planeta.

O volume de vendas atingiu recorde de 7,5 bilhões de latas em todo o mundo em 2019, impulsionado pelo crescimento em mercados emergentes como Brasil, Índia e África, disse a empresa, que cultivou sua marca com o patrocínio de esportes radicais.

A população global soma 7,7 bilhões de pessoas.

A receita aumentou 9,5%, para 6,1 bilhões de euros (US$ 6,6 bilhões).

Os níveis de lucro não foram divulgados, mas o site da empresa diz que esses resultados também atingiram recorde, o que significa que os donos bilionários da Red Bull podem ficar ainda mais ricos este ano.

A empresa distribuiu mais de meio bilhão de euros em lucro para acionistas em 2019.

Em 1987, o falecido empresário tailandês e criador ocasional de patos Chaleo Yoovidhya fez uma parceria com o especialista em marketing austríaco Dietrich Mateschitz, depois que Mateschitz descobriu a bebida energética vendida pela empresa de Chaleo enquanto tentava amenizar o jet lag em uma viagem de negócios.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A Red Bull, que tem capital fechado, é controlada por Mateschitz e pela família de Yoovidhya, e ambos se tornaram bilionários graças ao tônico que inventaram. Mateschitz é a pessoa mais rica da Áustria, com patrimônio de US$ 12,4 bilhões, segundo o Índice de Bilionários Bloomberg.

Os resultados indicam que a empresa com sede em Fuschl, na Áustria, vendeu, em média, mais de 20 milhões de latas de Red Bull por dia em 2019, ou o equivalente a 850 mil latas por hora.

O crescimento foi mais acelerado na Índia, onde as vendas subiram 37%, Brasil (+30%) e África (+25%).

Leia mais sobre: Bebidas, Bloomberg, Consumo, Empresas

Última atualização por Renan Dantas - 17/02/2020 - 17:47