Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Resultados da Via Varejo mostram avanços, mas cenário competitivo cria desafios para 2021

03/03/2021 - 12:06
Via Varejo Casas Bahia
A dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio conseguiu reverter o prejuízo líquido apresentado nos últimos três meses de 2019 e lucrou R$ 336 milhões entre outubro e dezembro de 2020 (Imagem: Divulgação)

A Via Varejo (VVAR3) reportou sólidos resultados, em linha com o que os analistas projetaram. A XP Investimentos disse que esperava que a companhia fosse um dos destaques positivos da temporada de balanços corporativos do quarto trimestre de 2020, o que acabou se concretizando, uma vez que as estimativas da corretora, acima do consenso, foram atingidas.

“A companhia entregou resultados acima do consenso e destacou diversas iniciativas a serem entregues em 2021 na frente operacional, logística e financeira que, a nosso ver, devem gerar valor ao longo do tempo”, afirmou o time de análise de Varejo da XP.

A dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio conseguiu reverter o prejuízo líquido apresentado nos últimos três meses de 2019 e lucrou R$ 336 milhões entre outubro e dezembro de 2020.

A receita líquida avançou 24,4% no comparativo anual e totalizou R$ 9,4 bilhões, impulsionada pelas vendas digitais, que passaram a representar 38% do montante.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, seguindo a tendência do lucro líquido, passou de um resultado negativo de R$ 35 milhões para um saldo positivo de R$ 545 milhões. A margem Ebitda foi de -0,5% para 5,8%.

Em relatório, a Via Varejo disse que está fazendo a integração das estruturas física e virtual para permitir que clientes possam, por exemplo, retirar nas lojas produtos comprados pela internet. Além disso, a companhia espera abrir pelo menos 120 lojas físicas neste ano, com ênfase em cidades do Norte e Nordeste do Brasil.

Segundo a Ágora Investimentos, os resultados da Via Varejo mostram que a companhia avançou muito no ano passado, principalmente no e-commerce, onde ganhou participação de mercado.

Cenário competitivo

Apesar dos números positivos, a XP e a Ágora decidiram manter a recomendação neutra para a ação da varejista, com preços-alvo de, respectivamente, R$ 20 e R$ 17. O motivo está no cenário competitivo mais desafiador em 2021, o que cria riscos de execução para a Via Varejo.

Além disso, os números do e-commerce, por mais que tenham vindo fortes no quarto trimestre, mostraram desaceleração em relação ao terceiro trimestre.

“A questão-chave agora na mente dos investidores é o quanto isso vai desacelerar a partir de abril, quando o negócio online começa a enfrentar uma base de comparação mais forte (em relação ao fechamento de lojas no ano passado)”, afirmaram os analistas Richard Cathcart e Flávia Meireles, da Ágora.

A XP reconheceu os esforços da Via Varejo no âmbito ESG (práticas ambientais, sociais e de governança corporativa), mas, considerando o aumento da competição no mercado, optou pela cautela. A corretora também disse que é bom esperar pelos resultados das outras companhias do setor, como Lojas Americanas (LAME4) e sua controlada B2W (BTOW3), além do Magazine Luiza (MGLU3).

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Diana Cheng - 03/03/2021 - 12:06