AgroTimes

São Martinho (SMTO3): Com atenções voltadas para safra 24/25 e clima, hora de comprar?

02 jun 2024, 12:30 - atualizado em 02 jun 2024, 12:30
são martinho smto3
De acordo com o banco, a São Martinho deve se beneficiar de preços estáveis para o etanol e valores consistentes para o açúcar (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

A São Martinho (SMTO3) reporta em 17 de junho os seus resultados referentes ao quarto trimestre da safra 23/24 (4T24), quando, segundo o Itaú BBAtodas as atenções estarão voltadas para o guidance da companhia na safra 2024/2025..

  • Pensando em investir no agro? Confira a lista de melhores ações segundo a Empiricus Research e descubra qual é a empresa do setor que não pode faltar no seu portfólio. Clique AQUI para acessar gratuitamente.

Sendo assim, no 4T, que costuma ser tranquilo para as empresas sucroalcoleiras, visto que tradicionalmente não há moagem de cana no período, o banco projeta um Ebitda ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) 19% ano a ano, em torno de R$ 1,1 bilhão, devido ao aumento das vendas.

Apesar do forte resultado trimestral, os números podem não ser suficientes para compensar um desempenho mais fraco nos últimos nove meses, e a empresa pode encerrar seu ano fiscal com uma contração de 10% no Ebitda ajustado ano a ano. .

Apesar disso, o BBA conta com recomendação de compra, com preço-alvo de R$ 35 e potencial de alta de 28,9%.

Performance operacional da São Martinho e desempenho financeiro

O Itaú destaca que a empresa optou, de forma estratégica, por evitar entrar no primeiro trimestre com altos estoques de etanol, uma vez que o trimestre normalmente sofre pressões de preços devido ao início da temporada de moagem.

A venda do estoque remanescente de 425 mil metros cúbicos de etanol de cana no quarto trimestre, representando aproximadamente 45% do volume total produzido na safra 2024, está alinhada a essa estratégia.

As vendas de açúcar também provavelmente seguiram um ritmo constante e atingiram aproximadamente 500 mil toneladas no trimestre, ou cerca de 30% da produção do ano.

Dada a estratégia comercial da São Martinho, o BBA espera que a empresa se beneficie de preços sequencialmente estáveis ​​do etanol em R$ 2,5 por litro. Na divisão de açúcar, os preços provavelmente permanecerão consistentes, hedgeados em torno de R$ 2.600 por tonelada para o trimestre.

Dessa maneira, os analistas projetam receita líquida de R$ 2,4 bilhões, aumento de 33% ano a ano, devido à maior concentração das vendas de etanol no trimestre. No entanto, isto ainda contribui para um ligeiro crescimento anual de 4% quando se considera todo o ano-safra de 2024.

Do lado da margem, a safra prolongada, mas não contínua, observada ao longo dos 9M24 impactou negativamente a diluição de custos, já conhecida pelo mercado. Portanto, projetamos uma redução de ~5 pps ano a ano na margem Ebitda ajustada no trimestre, levando a um resultado operacional de BRL ~1,1 bilhão no trimestre.

Maior moagem não se traduz necessariamente em lucratividade maior

Enquanto aguardam o guidance oficial para a safra 2024/25 , que provavelmente será publicado juntamente com os resultados trimestrais, o banco acredita que uma redução de um dígito nos volumes de moagem pode ser esperada, dada a difícil base de comparação após um ano-safra recorde.

“No entanto, se o clima permanecer mais seco, os rendimentos médios de ATR poderão ser significativamente maiores em relação ao mesmo período do ano anterior, potencialmente mais do que compensando a menor moagem esperada. Na verdade, o ano-safra passado desafiou a noção de que uma maior moagem leva necessariamente a uma maior lucratividade”, avaliam.

Com menor moagem, mas maiores rendimentos de ATR, o ATR total poderá aumentar, ajudando a diluir os custos fixos e potencialmente indicando uma redução de um dígito nos custos caixa unitários nesta safra.

Repórter
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Money Times desde março de 2023. Antes disso, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, também participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil e do Agro em Campo.
Linkedin
Formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu. Atua como repórter no Money Times desde março de 2023. Antes disso, trabalhou por pouco mais de 3 anos no Canal Rural, onde atuou como editor do Rural Notícias, programa de TV diário dedicado à cobertura do agronegócio. Por lá, também participou da produção e reportagem do Projeto Soja Brasil e do Agro em Campo.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.