Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Se não abrir o olho, Brasil terá nova crise (mesmo com reformas)

10/11/2017 - 12:46

A projeção do UBS de crescimento do PIB de 3,1% em 2018 não isenta o Brasil de encarar uma crise financeira, segundo avaliação dos economistas do banco suíço, Tony Volpon e Fabio Ramos. Nos cálculos deles, a equação para equilibrar as contas públicas requer um salto na produtividade e nos investimentos. Sozinho, o ajuste fiscal pode ser inócuo.

Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito

A solução passa por evitar a trajetória explosiva de avanço dos gastos (ajuste) e, ao mesmo tempo, aumentar a capacidade de crescimento (produtividade). “Um dado chave para medir a quantidade de restrição necessária [nas despesas] para estabilizar a dívida em relação ao PIB é o nível de produtividade potencial”, escrevem Volpon e Ramos em relatório publicado na quinta-feira (9) e obtido pelo Money Times.

Neste contexto, de acordo com os números dos economistas do UBS, os cenários para o PIB potencial brasileiro abrangem a possibilidade de variação do produto entre -2,1% a 6,0%.

Aos números

Se crescer a produtividade perto do limite inferior da projeção, mesmo com a implementação fiel do teto de limite de gastos, a relação da Dívida/PIB não irá convergir e o Brasil irá provavelmente enfrentar uma crise financeira. Já se crescer no limite superior, um ponto de inflexão pode ocorrer em breve.

E, para fazer isso, o UBS ressalta que precisamos elevar a nossa produtividade total dos fatores (PTF), ou seja, ampliar a produção com maior eficiência. Isso está intimamente ligado aos investimentos em infraestrutura, educação, estabilidade política, entre outros. Isso tende a aumentar o nosso PIB potencial.

Entre 2000 e 2010, este indicador cresceu 1,5% ao ano, enquanto que no período de 2011 a 2017, ele teve um desemprenho negativo de 2,8%. O UBS estima que se o Brasil retornar, ao menos, à média histórica de FTP e investimentos em relação a PIB, o crescimento potencial iria então para 1,9%. No entanto, a tabela abaixo revela que o PIB potencial pode ir até 6%:

PIB potencial em relação ao PTF e taxa de investimento (%PIB)
PTF versus TI 15,0% 16,5% 18,0% 19,5% 21,0%
-3,0% -2,1% -1,8% -1,6% -1,4% -1,1%
-1,5% -0,6% -0,3% -0,1% 0,2% 0,4%
0,5% 1,4% 1,7% 1,9% 2,2% 2,4%
2,5% 3,4% 3,7% 4,0% 4,2% 4,5%
4,0% 5,0% 5,2% 5,5% 5,7% 6,0%

 

Do lado negativo da análise, o UBS ressalta que seria anormal para uma economia como a do Brasil ter uma média negativa de FTP: “o que pode ser associado com recessões e períodos de má gestão macroeconômica e/ou crises políticas”, lembra Volpon. Portanto, ele ressalta que um cenário “normal” pessimista seria mesmo um crescimento em torno de 1,4%.

O Brasil, contudo, pode ter muito mais e a experiência histórica dá base para acreditar em uma taxa de 4,2%. O extremo de 6% não é citado por Volpon, mas só a chance remota de que isso pode acontecer, quem sabe, dê animo para a classe política brasileira não estragar tudo mais uma vez.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 10/11/2017 - 12:48

Cotações Crypto
Pela Web