Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Selic pode cair ainda mais? Veja para onde vai o juro em 2020, segundo o mercado

11/12/2019 - 22:05
Banco Central
Confira opinião de economistas sobre corte no juro básico (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

O Banco Central reduziu nesta quarta-feira, por unanimidade, a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para uma nova mínima histórica de 4,50% ao ano, em linha com as expectativas do mercado financeiro.

A Reuters conversou com agentes do mercado, que analisaram o comunicado divulgado pelo Comitê de Política Monetária (Copom), bem como as perspectivas para 2020:

Ivo Chermont, Economista-Chefe, Quantitas Asset

“A gente tinha uma opinião que em fevereiro cortaria 25 pontos-base, e acho que ficou muito mais provável isso (com comunicado) do que parecia antes da reunião.

As projeções foram o que realmente chamou atenção, muito tranquilas. Isso aumenta muito confiança do call de 4,25% e vou além: acho que o mercado volta a discutir o 4%. O mercado saiu daquele 5%, foi direto discutir aquele 4%.

Após estresse do dólar e dos preços da carne, mercado apagou 4% do cenário e ficou entre 4,25% e 4,5%. Acho que uma menor parte do mercado ficará em 4,5%, haverá concentração grande em 4,25%, mas haverá um debate sobre 4%. As projeções permitem esse debate.

Acho que pode postergar (fim do ciclo de afrouxamento monetário). Temos call de 4,25%, com mais um corte em fevereiro o debate interno será esse: qual probabilidade é de ir para 4%. Acho que aumentou. É majoritário? Não parece ser, mas acho que aumentou.

Você tem um deslocamento de probabilidade para baixo ao longo da curva. Quem tinha 4,5% aumentou probabilidade para 4,25%. Quem possuía 4,25% aumentou para 4%, mesmo sem mudar o call.

Joaquim Kokudai, Gestor, Jpp Capital

“O BC deixou a porta aberta para mais cortes, mas acho que ele parou. Ele cita cautela, a projeção de inflação para 2021 (3,75%) está na meta, e qualquer decisão de política monetária a partir de agora vai começar a influenciar mais o cenário para 2021.

A economia está ganhando tração, e os juros já estão em patamares extremamente baixos, muito abaixo da taxa neutra, então no todo o BC não tem muito incentivo para continuar cortando.

Banco Central do Brasil
(Imagem: Reuters/Adriano Machado)

Além disso, o BC não citou no comunicado, mas sabe que mais afrouxamento monetário poderia se traduzir em mais pressão no câmbio.

E isso traria mais um risco. A inclinação da curva de juros (entre janeiro 2022 e janeiro 2025) deve se reduzir amanhã.”

Anna Reis, Economista-Chefe, GAP ASSET Management

“Este foi o último corte do Copom neste ciclo. As projeções de inflação no cenário híbrido até nos surpreenderam positivamente –esperávamos entre 3,9% e 4%, mas veio 3,7%–, mas o linguajar não nos dá conforto para pensar que o BC vai cortar mais a Selic. O BC não deu forward guidance, diferentemente da última reunião.

E temos um cenário mais otimista com a atividade. Ainda teremos algum choque de preços da carne e com a demanda maior de fim de ano, então chegaremos ao ano que vem com atividade mais acelerada e inflação mais alta.”

Renan Silva, Economista, Blue Metrix Ativos

“Acabou se cumprindo o que mercado esperava, com mais um corte de 50 pontos-base, basicamente corroborando ideia de retomada da atividade econômica.

O que aconteceu no último mês foi um repique de inflação, com câmbio mais agressivo e também um evento específico, que foi aumento na demanda de carne por parte da China, gerando tensão, um mercado volátil.

Contudo, houve a percepção de que a necessidade de retomada do crescimento ainda é prioridade e tem de se considerar que governo, na política fiscal, tem reduzido gastos.

Assim, minha visão é que possa haver mais um corte, menor, na faixa de 25 pontos-base, para contrabalançar redução de gastos do governo em 2020.

Depois, poderemos chegar a um nível de estabilidade da Selic, talvez mais por mais tempo. Em suma, o ciclo tá chegando ao fim.”

Jason Vieira, Economista-Chefe, Infinity Asset

“Eu acho que ele (comunicado) manteve cautela. Ele deixou a coisa mais baseada em dados, mas eu daria, em termos de probabilidade, 70% de chance de manutenção, 30% de chance de corte de 25 pontos-base (na próxima reunião do Copom, em fevereiro).

E a sinalização que dá é que seria um corte mais modesto, e não mais forte. Ele já está dando sinalização de que o processo de afrouxamento monetário está ou no fim ou próximo ao fim… até pelos efeitos defasados de política monetária que ele citou.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 11/12/2019 - 23:22