Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Sidnei Nehme: Câmbio em patamar sustentável com fundamentos, sem exigir intervenção do BC

17/07/2018 - 8:55

Por Sidnei Moura Nehme, economista e diretor executivo da NGO

Entendemos que o preço da moeda americana no nosso mercado esteja dentro da faixa de equilíbrio no intervalo entre R$ 3,80 a R$ 3,95, e é o que tem sido observado, não havendo incremento nas demandas por proteção câmbio e/ou no mercado à vista, únicas razões que poderão vir a determinar intervenção do BC no câmbio proporcionando liquidez, de vez que de outra forma não tem como interferir na formação do preço.

Passada a Copa do Mundo, o foco maior será nos fatores internos do país que concentrarão doravante toda a atenção, seja a dinâmica cadente e com fraquíssimas perspectivas da atividade econômica, seja maior observância da crise fiscal já com foco ampliado até o novo governo que teve agravamento com as recentes decisões do Congresso em torno da LDO, seja pela efervescência dos debates e definições e indefinições no entorno das candidaturas à sucessão presidencial, tendo à margem desconfortável insegurança jurídica em torno da eventual candidatura do ex-Presidente, considerada inviável mas ainda não peremptória.

O IBC-BR (Índice de Atividade Econômica) do BC de maio registrou queda de 3,34% e a razão é atribuída, novamente, aos impactos da greve dos caminhoneiros, o que acreditamos seja uma verdade parcial, visto que a economia brasileira já vinha vinda “ladeira a baixo” e naturalmente ganhou impulso maior com aquele evento de grandes repercussões. Nos últimos 12 meses o índice acumula crescimento de 1,13% e no ano até maio acumula 0,73%.

O FMI considerando as incertezas políticas e o prolongado efeito da greve dos caminhoneiros cortou 0,5% na sua projeção para o crescimento do PIB brasileiro, agora em 1,8%.

O Boletim FOCUS divulgado hoje pelo BC aponta projeção declinante do PIB, agora em 1,5%.

Contudo, já há projeções mais contundentes que situam a perspectiva de crescimento do PIB em torno de 1,0%, considerando que a tendência da atividade econômica é declinante e que o quadro sucessório indefinido e com grande grau de preocupação sobre quem será o próximo Presidente exerce fator altamente neutralizante de investimentos, geração de empregos e concomitantemente renda.

Este enfoque tem levado analistas considerados, ainda que com certo retardamento, a admitir que a economia brasileira perca apelo de forma consistente e isto deve impactar no mercado de ações.

A inflação deverá passar a ter maior atenção e percepção mais aguda por parte do mercado, visto que gradualmente vem se mostrando aquecida, embora com causa atribuída a greve dos caminhoneiros, o que pode não ser uma verdade absoluta e vir a exigir algum ajuste na taxa de juro por parte do COPOM, contrariando as expectativas, sendo importante relembrar que o BC cautelosamente deixou de ser preditivo neste quesito.

Os fatores externos que causam, no curtíssimo prazo, mais ruídos do que efeitos continuam fluindo do conflito comercial entre Estados Unidos e China, que demandará um tempo maior para que suas consequências sejam corretamente avaliadas. O FMI emitiu alerta indicando que os Estados Unidos estão vulneráveis num cenário de intensificação de disputas.

O comportamento da atividade econômica americana pode vir a impor ao FED mais do que duas correções no juro este ano caso a inflação se torne aquecida, mas até o consenso atual os presumíveis efeitos externos sobre o câmbio no Brasil parecem precificados e não deve haver exacerbação no preço da moeda americana, pois o BC tem mecanismos apropriados para gerar liquidez.

É esperada a intensificação de saídas dos recursos estrangeiros lotados como investimentos no país, em especial os especulativos, mas num processo sem crise cambial, acreditando-se que estejam folgadamente protegidos com “hedge” e o BC, de forma pontual, deverá gerar liquidez no mercado de câmbio a vista, com a concessão de empréstimos em moeda estrangeira com recompra ao sistema bancário autorizado a operar em câmbio.

Queremos crer que o fator, central e preponderante, que poderá causar algum impacto desfavorável no câmbio elevando o preço acima do intervalo que projetamos, se ocorrer, terá origem nos acirramentos partidários eleitorais e em torno da candidatura ou não do ex-Presidente Lula.

A recente decisão do Congresso Nacional em torno da LDO e concessões agravantes ao relevante problema fiscal do país poderá ganhar ênfase maior, se o candidato que pontificar na linha sucessória não tiver perfil reformista.

Esta questão de natureza política e fiscal poderá impactar no conceito risco do país e, desta forma, exercer pressão sobre o preço da moeda no nosso mercado, e, neste caso os mecanismos de intervenção do BC são ineficazes por não alcançar a cerne do problema.

Doravante deverá aumentar em muito a postura sensata e defensiva dos “players” do mercado, podendo ter início ao final deste mês ou início de agosto movimento mais acentuado de saída dos investidores estrangeiros da Bovespa.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , ,

Última atualização por Conrado Mazzoni - 17/07/2018 - 8:55

Cotações Crypto
Pela Web