Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Sidnei Nehme: Recuperação gradual de fluxo inibirá intervenção do BC e consolidará viés de baixa

24/10/2019 - 6:48
banco central
Colunista analisa cenário de melhora do fluxo cambial com participação do Banco Central (Imagem: Facebook oficial)

Por Sidnei Nehme, Economista e Diretor-Executivo da NGO Associados Corretora de Câmbio

Na terça-feira última o Banco Central (BC) não procedeu a efetivação de intervenção no mercado de câmbio à vista com oferta de moeda combinada com oferta de contratos de swaps reversos no mercado futuro/derivativo, e este fato proporcionou que o preço da moeda americana, com o mercado mantendo expectativas de melhora do fluxo cambial e não tendo a participação do BC “ancorando” o preço pela ação contra efeito no mercado futuro, procedesse a forte ajuste do preço do dólar.

Já, ontem, retomou a intervenção combinada de oferta no mercado à vista que irriga a liquidez no mercado à vista combinada com a oferta de contratos de swaps cambiais reversos que contrai a liquidez no mercado futuro, mas houve sinais de que ocorreu fluxo cambial normal para o mercado adicionalmente a ação do BC.

Ao que tudo indica o BC continuará com a sua ação de intervenção combinando oferta no mercado à vista para liquidez e oferta de swaps reversos no mercado futuro contraindo os efeitos da liquidez gerada no mercado à vista , até quando o mercado demonstrar que tem necessidade da presença da autoridade monetária promovendo o ajuste da liquidez no mercado à vista.

Mas esta tende a ir se reduzindo na medida em que houver recuperação do fluxo cambial normal para o país, e assim, o que se pode esperar é que na intensidade deste movimento no fluxo ocorra também a apreciação do real frente ao dólar.

Real moedas dólar dinheiro
Se pode esperar é que na intensidade do fluxo ocorra também a apreciação do real frente ao dólar (Imagem: Reuters/Bruno Domingos)

Evidentemente, há perspectivas de melhora futura do fluxo cambial para o país decorrente de recursos externos oriundos do pré-sal e das privatizações, e, ainda de eventual melhora de fluxo de recursos não especulativos para o mercado financeiro, em especial renda variável, tendo em vista que não há apelo de atratividade para o capital especulativo e nem para renda fixa face o estreitamento do juro externo com o interno.

A expectativa é que ocorra a diminuição gradual do fluxo de saída do país de volumes de recursos estrangeiros, o que deverá tornar cadente a intervenção do BC no mercado dada a queda da demanda e até o ponto de interrompê-la caso ocorra a concomitância da melhora de fluxo de ingressos no país.

Percebe-se, também, que após o movimento de troca de passivos externos por passivos internos, ocorrem sinalizações por parte de empresas nacionais focando captações no mercado externo, de vez que o recuo do juro no exterior até negativo torna oportuno para as mesmas os parâmetros viáveis de custos possíveis de obtenção neste momento, para o que contribui também o fato do CDS do Brasil estar baixo.

Este é mais um ponto que pode incrementar a retomada de fluxos externos para o país, contribuindo para a superação dos fluxos negativos.

Este contexto prospectivo parece absolutamente crível neste momento e assim acentua a convicção de que o preço do real deva acentuar gradualmente o viés de apreciação frente ao dólar, na medida em que o mercado recompor seus fluxos de liquidez normais.

A despeito de alguns impactos externos sobre o comportamento da moeda americana no mercado global decorrentes dos conflitos comerciais e medidas de politica monetária do Federal Reserve, que poderão ter efeito de contenção ou de expansão da apreciação esperada.

Com a Reforma da Previdência superada, embora não seja solução imediata para os graves problemas do Brasil, seguramente ocorrerá melhora das perspectivas para o país conseguir reequilibrar-se na crise fiscal, e a sequência de Reformas como a Tributária e Administrativa deve se agregar como fatos positivos para a mudança do cenário prospectivo e atratividade do país.

O comportamento da taxa cambial deverá reagir de forma pendular, na medida em que diminua a intervenção nas duas pontas do BC e aumente o fluxo cambial normal a taxa do real irá sendo apreciada.

Ontem, o BC vendeu US$ 450 milhões à vista, dos US$ 525 milhões ofertados, combinado com o mesmo montante de swaps cambiais reversos no futuro, mas como a taxa cambial cedeu tecnicamente pode-se admitir que houve melhora do fluxo cambial normal no dia e nas expectativas, que causou o efeito de apreciação do real.

O fluxo cambial está negativo no ano em US$ 19,195 bilhões revelando melhora de US$ 634 milhões na semana de 14 a 18/10, com os bancos com posições vendidas de US$ 30,316 bilhões e a oferta consolidada de moeda à vista pelo BC atingindo US$ 19,340 bilhões .

O cenário para o câmbio tende a se tornar gradativamente benigno e é possível que o preço da moeda americana recue a menos de R$ 4,00, tornando-se uma grata contribuição para a manutenção da inflação em níveis compatíveis.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Lucas Simões - 24/10/2019 - 6:51