Money Times Entrevista

Smart Fit quer crescer (e rápido), enquanto setor de consumo pisa no freio; empresa mira ‘efeito rede’

01 mar 2024, 19:48 - atualizado em 01 mar 2024, 20:01
Thiago Borges, CFO da Smart Fit
Thiago Borges, CFO da Smart Fit (Imagem: Divulgação/Smart Fit)

Enquanto parte das empresas voltadas ao consumo brasileiro se segura no momento atual, abrindo mão do crescimento para “arrumar a casa” em meio aos desafios do cenário macro, a Smart Fit (SMFT3) vai pelo caminho diferente. A ideia da maior rede de academias do Brasil é seguir em ritmo acelerado de expansão a ponto de entregar, ainda em 2024, o maior número de unidades abertas da sua história.

A companhia tem a meta ambiciosa de atingir entre 240 e 260 academias novas este ano (sendo pelo menos 80% compostos por unidades próprias), renovando o recorde de 2023, quando registrou 215 aberturas.

Os dados operacionais de janeiro sinalizam um início de ano forte em 2024. E a ideia é que esse ritmo acelerado de crescimento se mantenha nos próximos meses, uma vez que a Smart Fit está vendo uma “excelente oportunidade de retorno de alocação de capital”, de acordo com o CFO Thiago Borges.

Em entrevista ao Money Times, o executivo disse que a confiança em ampliar a rede vem da performance das unidades abertas três anos antes. Borges afirmou que as academias estão maturando de maneira “extremamente saudável”.

Oportunidades imobiliárias e uma estrutura de capital que permite que a companhia acelere também explicam essa sede por crescimento.

Crescer para fortalecer o “efeito rede”

Para toda empresa, o crescimento normalmente vem com um efeito colateral: a pressão nas margens. No caso da Smart Fit, Borges não enxerga isso como um fator negativo, até porque a ideia da companhia é fortalecer o que o executivo chama de “efeito rede”.

“Quanto mais unidade abrimos, mais ‘efeito rede’ a gente cria”, afirmou.

Além disso, pelo fato de a base das unidades maduras estarem aumentando as margens, a pressão das unidades novas acaba ficando em segundo plano, acrescentou o CFO.

“A gente tem mais unidades ‘rampando’ (de ramp-up) do que novas”, reforçou. “Não vemos pressão de margem em 2024 em relação a 2023.”

Borges também defendeu que a Smart Fit tem sido mais assertiva na hora de escolher os locais que vão receber uma academia do grupo. E, como a precificação dos serviços da empresa não varia muito, a companhia consegue estar em diversas regiões de uma maneira mais uniforme, com um mix diversificado de clientes em um único ponto, podendo compensar no aluguel.

  • Já sabe onde investir agora que as empresas estão divulgando seus balanços do 4T23? Veja análises completas da Empiricus Research e saiba se você deve comprar, vender ou se manter neutro em cada uma das principais ações da bolsa. Clique aqui para receber os relatórios GRATUITOS.

Smart Fit é líder de mercado, mas está só começando

O ritmo sólido de aberturas da companhia ganhou ainda mais atenção com a surpresa positiva em outros países da América Latina além de Brasil e México.

Em relatório divulgado no início do ano, o Santander avaliou que, enquanto a abertura de unidades próprias veio praticamente em linha no quarto trimestre do ano passado, as inaugurações na região Outros América Latina apontaram um crescimento de 24% em relação a 2022.

“Outros América Latina tem mostrado uma boa performance pós-pandemia, então recebemos bem essa aceleração nas aberturas na região”, afirmou a instituição, que tem recomendação de “outperform” (desempenho esperado acima da média do mercado, equivalente a compra).

Esse é só o começo, sinalizou Borges. Na avaliação do CFO, o mercado ainda tem espaço para crescer. A exemplo disso, o executivo citou a entrada recente no Uruguai.

“A gente vem mostrando que a demanda está ali, e estamos chegando com a oferta de um produto extremamente adequado, com preço correto, conveniente.”

Nos 15 países em que a Smart Fit está presente, o nível de penetração ainda é baixa, girando em torno dos 3,7%, disse Borges. Para efeitos de comparação, o executivo destacou que a penetração nos mercados mais maduros é de aproximadamente 15%.

“A gente percebe que nesses mercados maduros, além do hábito, tem a questão da oferta de academias com nosso posicionamento (alto valor, baixo preço)”, afirmou.

“A gente criou na América Latina um diferencial competitivo no mercado, uma liderança muito grande que, com humilde, esperamos manter”, completou o CFO.

Atualmente, a Smart Fit conta com 1.438 academias em 15 países na América Latina. 1.144 são unidades próprias (80% do total) e 294 são franquias (20%).

A Smart Fit divulgará os resultados do quarto trimestre de 2023 no dia 14 de março.

Editora-assistente
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin