Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

S&P e Fitch retiram alerta de corte dos ratings do Reino Unido após vitória de Johnson

18/12/2019 - 0:08
Boris Johnson Reino Unido
A S&P elevou a perspectiva britânica de negativa para estável, enquanto a Fitch retirou o país de sua lista negativa de observação (Imagem: Reuters/Dylan Martinez)

As agências de classificação de risco Standard & Poor’s e Fitch recuaram de seus alertas de que o Reino Unido pode sofrer um novo corte em sua nota de crédito, afirmando que a vitória enfática do primeiro-ministro Boris Johnson nas eleições da semana passada reduziu o risco de que ocorra um Brexit sem acordo no mês que vem.

A S&P elevou a perspectiva britânica de negativa para estável, enquanto a Fitch retirou o país de sua lista negativa de observação, mas manteve a perspectiva ampla em negativo.

Johnson conquistou uma maioria parlamentar além do esperado na eleição geral britânica, quebrando o impasse sobre como (e até mesmo se) proceder com o Brexit. O Reino Unido deve deixar a União Europeia em 31 de janeiro.

Agora Johnson planeja aprovar uma lei para impedir que o país solicite uma extensão do período de transição do Brexit, que está programado para expirar em 31 de dezembro de 2020.

Muitos especialistas em comércio dizem que com isso haveria muito pouco tempo para o estabelecimento de um acordo sobre futuros laços comerciais, aumentando a perspectiva de tarifas e outras barreiras ao comércio.

A S&P afirmou esperar que um Brexit sem acordo no fim do ano que vem seja evitado por um pedido de mais tempo por Londres.

“Apesar da atual posição do governo, esperamos que o Reino Unido procure e a UE conceda uma extensão além de dezembro de 2020 para negociar o relacionamento futuro entre os dois”, disse a agência.

A Fitch, por sua vez, disse que o risco de um Brexit caótico ao final de 2020 não desapareceu.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Gustavo Kahil - 18/12/2019 - 0:08