Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

SulAmérica opera estável após reportar salto do lucro para R$ 260,8 milhões

08/08/2019 - 12:22
Lucro acumula R$ 484,3 milhões no semestre, avanço de 75% na base anual (Imagem: Pixabay)

Por Investing.com 

A SulAmérica (SULA11) encerrou o segundo trimestre do ano com lucro líquido de R$ 260,8 milhões, o que equivale a uma alta de 92,6% em relação aos R$ 135,4 milhões registrados um ano antes. Nos três primeiros meses de 2019, o resultado foi de R$ 223,5 milhões. Já no semestre o lucro acumula R$ 484,3 milhões, avanço de 75% na base anual. Com isso, as ações operam com estabilidade, com ligeira alta de 0,09% a R$ 46,44.

Entre abril e junho deste ano, as receitas operacionais totalizaram R$ 5,439 bilhões, crescimento de 7% na comparação com os R$ 5,085 bilhões do mesmo período de 2018 e de R$ 5,254 bilhões entre janeiro e março.

A operação de seguro saúde e odontológico apresentou resultados consistentes em mais um trimestre. A sinistralidade foi mantida sob controle, com ganho de 1,0 ponto percentual (p.p.), ao mesmo tempo em que seguiu a tendência de crescimento orgânico de beneficiários, fruto de uma estratégia comercial acertada e da atratividade dos produtos, mantendo o bom desempenho em vendas novas e um alto nível de retenção.

Para a Mirae Asset, mais uma vez a companhia entregou um resultado acima do esperado, com crescimento de prêmios, sinistralidade e de ROE. A corretora segue otimista com a empresa e com o setor e espera que caso ocorra a venda de outros negócios, como o de automóveis, poderá levar a empresa a focar ainda mais no segmento de saúde.

A Coinvalores destaca o aumento do faturamento em 7,0% com melhora na operação de seguro saúde e odontológico. O segmento de automóveis, por outro lado, mostrou redução de receita, com aumento da sinistralidade em 1,3 p.p., principalmente por conta de maiores sinistros.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

No entanto, a sinistralidade total da companhia ficou estável em 77,4%. Já o índice combinado (medida que considera sinistros retidos mais despesas com seguros em relação aos prêmios ganhos) ficou 0,3 p.p. menor, ficando em 98,6% quando comparado ao ano passado.

O ROE médio foi de 17,6%, enquanto havia sido de 15,1% no 2T18 e de 16% no primeiro trimestre deste ano.

Leia mais sobre: Ações, Empresas, Investing.com, Mercados

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 08/08/2019 - 12:40