Coluna do Einar Rivero

Termômetro de saúde financeira: Mediana das empresas da B3 recua em nove dos últimos 11 trimestres

21 maio 2024, 10:37 - atualizado em 21 maio 2024, 10:37
ibov ibovespa b3 investidor investidores estrangeiros empresas EBIT/Dívida Bruta
O EBIT/Dívida Bruta transcende sua mera função de medir a saúde financeira das empresas, transformando-se em um farol de alerta precoce para os gestores. (Imagem: Pixabay)

O mundo dos negócios é um ecossistema complexo, onde empresas navegam por diferentes marés econômicas, enfrentando desafios que testam sua resiliência e adaptabilidade.

Em meio a esse cenário, uma métrica financeira surge como um farol orientador, iluminando o caminho das organizações rumo à estabilidade e prosperidade: o indicador EBIT/Dívida Bruta.

Sob a lente analítica e perspicaz, embarquemos em uma jornada pela importância desse indicador e os impactos intrínsecos de sua redução.

Avaliação da Solvência: Uma Jornada Pelos Números

Em tempos de incerteza econômica, como os vivenciados durante a pandemia de COVID-19, a saúde financeira das empresas é posta à prova.

A análise da mediana do EBIT/Dívida Bruta das empresas listadas na B3 ao longo dos últimos anos revela um quadro dinâmico e multifacetado. No ápice da crise, entre março e setembro de 2020, testemunhamos uma queda abrupta nesse indicador, atingindo seu pior momento em junho de 2020, marcando 14,03%.

Essa redução dramática ecoa a pressão sobre as empresas, refletindo uma capacidade comprometida de gerar lucros suficientes para honrar suas obrigações de dívida, e consequentemente, ampliando o espectro do risco de insolvência em períodos turbulentos.

Contudo, assim como o sol emerge após a tempestade, o indicador EBIT/Dívida Bruta testemunhou uma recuperação notável. Em junho de 2021, registrou-se um valor mais robusto, ascendendo a 29,14%, sinalizando uma revitalização na saúde financeira das empresas.

Esse aumento não apenas inspira confiança nos investidores, mas também torna as empresas mais atraentes para potenciais credores.

Os períodos de alta, como os observados ao longo de 2021, denotam não apenas uma recuperação tangível, mas também uma resiliência demonstrada pelas organizações na restauração de sua capacidade de gerar lucros operacionais suficientes para fazer frente às suas dívidas.

EBIT/Dívida Bruta: Indicador mede saúde financeira das empresas e mais

O indicador EBIT/Dívida Bruta transcende sua mera função de medir a saúde financeira das empresas, transformando-se em um farol de alerta precoce para os gestores.

A queda vertiginosa observada em 2020 serviu como um chamado à ação, instando os líderes empresariais a adotar estratégias proativas de mitigação de riscos. Cortes de custos, reestruturação financeira e uma revisão crítica das operações tornaram-se imperativos para evitar as armadilhas da insolvência em tempos desafiadores.

Entretanto, a estabilidade alcançada em torno dos 21% em 2023 e início de 2024 não permite complacência. Ao contrário, esse patamar instiga as empresas a adotar uma abordagem de planejamento estratégico contínuo e prudente. A cautela torna-se a palavra de ordem, conforme as organizações buscam equilibrar aspirações de crescimento com a necessidade premente de garantir uma base financeira sólida.

Impactos da Redução: Um alerta para a viabilidade empresarial

Contudo, os desafios persistem, e a redução contínua do indicador EBIT/Dívida Bruta acende sinais de alerta.

Quedas significativas, como as testemunhadas em junho de 2020, não apenas aumentam o risco de insolvência, mas também dificultam a obtenção de financiamento adicional. Investidores e credores, cautelosos diante de indicadores desfavoráveis, podem retrair-se, limitando assim as opções de financiamento das empresas.

A oscilação do indicador EBIT/Dívida Bruta ressoa como um lembrete vívido da necessidade premente de medidas de contenção e adaptação. Em períodos de crise, como os enfrentados em 2020, cortes de custos e reestruturação financeira emergem como táticas imperativas para a sobrevivência empresarial.

Contudo, a busca pelo equilíbrio persiste, conforme as empresas se esforçam para reconciliar aspirações de crescimento com uma gestão financeira prudente.

À luz dessa análise, torna-se inegável a importância do indicador EBIT/Dívida Bruta como um barômetro da saúde financeira empresarial. Suas flutuações ao longo do tempo não apenas revelam a resiliência das empresas diante de desafios imprevistos, mas também apontam para a necessidade contínua de uma gestão financeira ágil e proativa.

Em última análise, a jornada das empresas é uma saga de resiliência, onde cada variação no indicador EBIT/Dívida Bruta conta uma história de desafios superados e lições aprendidas.

Einar Rivero é CEO da Elos Ayta Consultoria e especialista de dados financeiros de mercado. Formado em Engenharia, tornou-se referência para o mercado financeiro por trazer levantamentos e insights inéditos a partir do cruzamento de dados econômicos. Durante 25 anos, atuou como líder e gerente de relacionamento institucional de plataformas de informação financeira, como TradeMap e Economatica.
Twitter Linkedin Instagram
Einar Rivero é CEO da Elos Ayta Consultoria e especialista de dados financeiros de mercado. Formado em Engenharia, tornou-se referência para o mercado financeiro por trazer levantamentos e insights inéditos a partir do cruzamento de dados econômicos. Durante 25 anos, atuou como líder e gerente de relacionamento institucional de plataformas de informação financeira, como TradeMap e Economatica.
Twitter Linkedin Instagram