Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Tribos e seringueiros da Amazônia unem forças contra Governo Bolsonaro

16/01/2020 - 11:29
Raoni Metuktire Amazônia Índios
O chefe kayapó Raoni Metuktire pediu ao Congresso que barre as iniciativas do presidente (Imagem: REUTERS/Regis Duvignau)

Tribos indígenas e seringueiros da Amazônia uniram forças, na quarta-feira, para se opor a medidas do governo do presidente Jair Bolsonaro que afirmam estar destruindo a floresta da qual dependem para viver.

Cerca de 450 membros de 47 tribos se reuniram pelo segundo dia para debater como resistir às medidas de Bolsonaro para enfraquecer agências governamentais encarregadas de proteger o meio ambiente e o direito à posse de terras ancestrais.

Bolsonaro alega que as tribos têm terras demais e quer abrir as reservas indígenas à mineração e à agricultura para desenvolver a Amazônia e tirar os povos indígenas da pobreza.

O chefe kayapó Raoni Metuktire, que convocou a reunião em seu vilarejo junto ao Rio Xingu, pediu ao Congresso que barre as iniciativas do presidente.

Jair Bolsonaro Aliança Pelo Brasil
Bolsonaro alega que as tribos têm terras demais e quer abrir as reservas indígenas à mineração e à agricultura (Imagem: REUTERS/Ueslei Marcelino)

“Estamos aqui para defender nossa terra e dizer (a Bolsonaro) que pare de falar mal de nós”, disse Raoni, que se tornou uma referência global por sua campanha ambiental nos anos 1980 em companhia do músico Sting. O líder indígena disse que jamais aceitaria a mineração em suas terras ancestrais.

Entre os presentes na reunião estava Angela Mendes, filha do seringueiro, líder sindical e ambientalista Chico Mendes, que foi assassinado em 1988 devido aos seus esforços para proteger a floresta tropical.

“Unidos, podemos resistir. Eles têm o poder do Estado, mas nós temos a força das águas, das flores e da terra ancestral”, disse ela em uma coletiva de imprensa.

Índios Xingu Amazônia
A existência de comunidades extrativistas não indígenas que vivem da extração de látex e da venda de frutas da floresta está sendo ameaçada pelo desmatamento (Imagem: Reuters/Ricardo Moraes)

A existência de comunidades extrativistas não indígenas que vivem da extração de látex e da venda de frutas da floresta está sendo ameaçada pelo desmatamento, alertou.

Mendes fez uma aliança com Sonia Guajajara, chefe da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, a maior organização de tribos do país.

“Este é um momento muito grave de nossa história. Parece um cenário de guerra”, disse Guajajara, acusando Bolsonaro de atender aos interesses do poderoso agronegócio brasileiro, que está avançando sobre a região amazônica.

O aumento da violência contra os 850 mil povos indígenas do Brasil, resultante das disputas de terras com agricultores, do corte de árvores e da mineração em reservas indígenas, ameaça o futuro das tribos, argumentou.

Bolsonaro prometeu integrar os povos indígenas à economia e à sociedade, uma assimilação que Guajajara disse equivaler à extinção de suas culturas e linguagens.

A Fundação Nacional do Índio (Funai), controlada por uma autoridade policial escolhida por Bolsonaro, informou que a reunião no Xingu era um “evento totalmente particular” que não apoiaria por não estar “alinhada” com a política do governo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Lucas Simões - 16/01/2020 - 11:30