Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Vacina da Astra-Oxford ainda está entre líderes apesar de atraso nos EUA

27/10/2020 - 13:00
Astrazeneca
A rápida retomada dos outros ensaios permitirá que autoridades de saúde analisem mais dados à medida que o estudo avança nos EUA (Imagem: REUTERS/Dado Ruvic)

A suspensão de sete semanas do ensaio nos Estados Unidos da vacina contra a Covid desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford tirou a candidata da pole position, mas ainda é uma das primeiras na corrida para a imunização.

As altas taxas de casos conforme a pandemia recupera força e o grande número de participantes em outros ensaios ao redor do mundo devem ajudar a manter o programa de vacinação em andamento, de acordo com cientistas.

A FDA, que regula fármacos e alimentos nos EUA, autorizou a retomada do ensaio na sexta-feira, quase dois meses depois que uma pessoa que participava do estudo do Reino Unido ficou doente e semanas após reguladores de outros países liberarem a retomada dos testes.

Um diagnóstico inicial de mielite transversa, uma rara doença neurológica, foi descartado, e a Oxford disse posteriormente que os sintomas da pessoa incluíam fraqueza nos membros, e que era improvável que estivessem relacionados à vacina.

A rápida retomada dos outros ensaios permitirá que autoridades de saúde analisem mais dados à medida que o estudo avança nos EUA. O número crescente de casos na Europa e nos EUA ajuda, porque os participantes dos ensaios precisam ser expostos a uma quantidade suficiente do coronavírus para mostrar diferença significativa nas taxas de infecção entre os que tomaram a injeção e outros que receberam placebo.

“O estudo da AstraZeneca cobre pelo menos quatro países e, à medida que os casos de Covid-19 aumentam no mundo todo, isso vai encurtar o tempo para obter dados suficientes de retorno, disse Gordon Dougan, professor da Universidade de Cambridge, que contribuiu para o desenvolvimento de uma série de vacinas importantes, incluindo algumas para cólera e febre tifóide.

“Não acho que a interrupção do ensaio causará um atraso muito grande em termos de prazos.”

Próximas análises

Representantes da FDA e da Astra não quiseram comentar o impacto do atraso. A empresa disse na sexta-feira que espera resultados dos ensaios em estágio final neste ano, dependendo das taxas de infecção.

A vacina produziu forte resposta imunológica em adultos mais velhos em um ensaio anterior, disse a empresa na segunda-feira, ecoando dados divulgados anteriormente em voluntários mais jovens.

Outros fabricantes de medicamentos correm para produzir uma vacina contra o coronavírus eficaz até o fim do ano. Várias empresas buscam enviar dados para aprovação em breve.

A Pfizer disse que poderia buscar autorização de uso emergencial nos EUA até o fim de novembro para sua vacina com a parceira alemã BioNTech, enquanto a Moderna também considera a possibilidade de buscar aprovação emergencial em 2020.

Mais de 20 mil voluntários participaram dos testes Astra-Oxford fora dos Estados Unidos, em países como Reino Unido, Brasil e África do Sul, e outros 30 mil devem participar do estudo americano. Durante a pausa, coordenadores do ensaio nos EUA não conseguiram recrutar novos voluntários.

Segunda dose

A interrupção pode ter criado uma pausa no cronograma para o regime de duas doses da vacina, de acordo com Beate Kampmann, professora de infecção pediátrica e imunidade na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, mas como o ensaio havia começado há apenas uma semana antes, o impacto deve ser mínimo.

“É claro que a pausa pode ter afetado o intervalo para a segunda dose da vacina”, o que pode ter impedido alguns voluntários de continuar no ensaio, disse Kampmann. Mas “é mais importante concluir esses ensaios com a diligência prévia necessária do que apressar o cronograma por causa de algumas semanas”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 27/10/2020 - 13:00