Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Vale considera remoção de famílias em Itabira, Minas Gerais

27/05/2021 - 22:07
Vale
O assunto foi discutido na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na última terça-feira (25) (Imagem: REUTERS/Pilar Olivares)

O processo de descaracterização das barragens e diques que a Vale (VALE3) possui no Sistema Pontal, em Itabira (MG), poderá levar à remoção de diversas famílias. O plano da mineradora prevê diversas intervenções, incluindo a construção de muros de contenção, e considera evacuar imóveis em dois bairros do município.

O assunto foi discutido na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na última terça-feira (25). O deputado Bernardo Mucida (PSB) questionou a mineradora em pronunciamento na tribuna. Ele falou que até 300 famílias poderiam ser atingidas.

“Eu me reuni com os moradores e com o Ministério Público. A Vale quer construir uma estrutura de contenção. É um enorme muro que chega a ter 20 metros de altura, com a base de aproximadamente 30 metros. São similares a estruturas usadas no Japão para conter tsunamis. É uma espécie de barragem reserva. Um muro que fica atrás da barragem para segurar o rejeito na eventualidade de um rompimento. Acontece que ele está para ser construído em área urbana”, disse o deputado.

A Vale não informa nenhuma estimativa do número de possíveis atingidos. “Visando à segurança dos moradores, está sendo considerada a remoção de pessoas e imóveis nos bairros Bela Vista e Nova Vista”, diz a mineradora em nota.

Hoje (27), o prefeito do município Marco Antônio Lage viu de perto as operações da mineradora. “Gestores da companhia explicaram as movimentações na barragem e afirmaram que ainda não há uma definição a respeito do quantitativo de famílias nos bairros Bela Vista e Nova Vista que poderão ter que ser removidas para a conclusão dos trabalhos”, informou o município em nota.

A visita foi solicitada devido à preocupação com a situação das comunidades vizinhas. “Estão apreensivas com as obras e reclamam de poucas informações por parte da empresa. Marco Antônio defendeu um diálogo mais próximo com os moradores e que todos os detalhes mostrados aos representantes da prefeitura também sejam repassados aos cidadãos”, acrescenta o texto divulgado pelo município.

A descaracterização de todas as estruturas construídas pelo método a montante se tornou uma exigência legal após as tragédias de Mariana (MG), que deixou 19 mortos em novembro de 2015, e de Brumadinho (MG), na qual morreram 270 pessoas em janeiro de 2019. O grande número de vidas perdidas nos dois episódios, além dos significativos impactos ambientais, levou Minas Gerais a aprovar a Lei Estadual 23.291/2019. Ela estabelece prazos para a descaracterização das barragens similares as que se romperam. Em âmbito nacional, a Agência Nacional de Mineração (ANM) editou uma resolução com determinação similar.

A Vale divulgou, ainda em 2019, a primeira versão do seu plano para descaracterizar nove barragens. Outras estruturas foram incluídas posteriormente, entre elas as que integram o Sistema Pontal. Atualmente são listadas 14 barragens, 13 diques e dois empilhamentos drenados. Em janeiro desse ano, a mineradora informou que quatro processos já estavam concluídos. De acordo com a Vale, a forma mais segura de cumprir a exigência legal em relação às estruturas situadas em Itabira está sendo discutida com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

A proposta da Vale é dividir o processo em duas etapas. A primeira incluiria um reforço dos diques 3 e 4 e a descaracterização do dique 5. Além disso, na região conhecida como Lagoa Coqueirinho, seria implantado um muro contenção capaz de bloquear a passagem de rejeitos no caso de uma tragédia. É na segunda etapa que as remoções seriam consideradas.

Ela envolveria a descaracterização dos diques Minervino e Cordão Nova Vista e a construção de mais um muro de contenção. A Vale afirma, no entanto, que os estudos ainda estão sendo realizados. “As ações serão definidas conforme resultados dos estudos, sempre considerando o menor impacto possível para as comunidades”, diz a mineradora.

O MPMG diz acompanhar de perto a situação. “A promotora de Justiça Giuliana Talamoni Fonoff, a 2ª Promotoria de Justiça de Itabira, está em tratativas com a Vale com o objetivo de fazer um Termo de Compromisso”, informa em nota.

Evacuações

Desde a tragédia de Brumadinho, centenas de pessoas já foram retiradas de suas casas em diferentes cidades de Minas Gerais. As evacuações começaram a ocorrer em decorrência de um pente-fino nas barragens de diversas mineradoras realizado por meio de vistorias da ANM e de ações de fiscalização do MPMG e do Ministério Público Federal (MPF). Como resultado, dezenas de estruturas perderam suas declarações de estabilidade, foram consideradas inseguras e ficaram impedidas de operar. Nos casos em que as evacuações foram determinadas, os atingidos foram encaminhados para hotéis ou para moradias temporárias alugadas pela mineradora responsável.

Em Itatiuçu, o descontentamento levou os moradores a organizar na semana passada uma carreata onde apresentaram diversas reivindicações: valor justo para danos morais e pagamentos por pessoa removida e não por família, reconhecimento da desvalorização de imóveis que não foram evacuados, reparação para pontos comerciais inviabilizados, garantia de auxílio financeiro por pelo menos 5 anos para possibilitar a retomada das atividades econômicas paralisadas, entre outras.

“O comércio da cidade está fechado. A cidade não é mais igual ao que era”, diz a moradora e uma das organizadoras da carreata, Patrícia Odione. “Quem vai querer comprar uma casa do lado de uma barragem que pode romper? Mesmo que a lama não fosse passar pela casa, mas você a veria da sua janela? É claro que houve desvalorização”, registra um manifesto divulgado pelos manifestantes.

A situação decorre dos riscos envolvendo a barragem do complexo minerário Serra Azul, de responsabilidade da ArcelorMittal. Mais de 200 moradores estão fora de suas casas desde fevereiro de 2019. O descontentamento se agravou com o acionamento do sistema de sirenes no dia 8 de março desse ano, assustando a população. Era um alarme falso ocorrido a partir de um erro humano durante procedimento de manutenção. Diante de episódio, o MPF e o MPMG firmaram com a ArcelorMittal um Termo Adicional de Compromisso (TAC) por meio do qual a mineradora concordou em pagar uma multa de R$360 mil, revertida em favor de 655 núcleos familiares atingidos.

No ano passado, uma matriz de danos foi elaborada pelos atingidos com o apoio da Associação Estadual de Defesa Social e Ambiental (Aedas), entidade que eles escolheram para assessorá-los. O documento estabelece parâmetros para a reparação. Ele foi apresentado à mineradora, ao MPF e ao MPMG. Em dezembro, a ArcelorMittal confirmou o recebimento.

De acordo com a mineradora, as negociações prosseguem e as ações já pactuadas, como o pagamento do auxílio emergencial e a manutenção dos imóveis que foram desocupados, estão sendo cumpridas. “As partes buscam definir critérios de reparação aos danos sofridos pelos atingidos, sempre com embasamento técnico e referenciado. Devido às complexidades do tema e restrições da pandemia, as negociações foram prorrogadas consensualmente com todos os envolvidos até o dia 5 de junho. A empresa busca uma composição capaz de reparar de forma satisfatória todos os danos causados”, diz em nota.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Gustavo Kahil - 27/05/2021 - 22:07

Cotações Crypto
Pela Web