Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Valor do acordo bilionário da Braskem pode aumentar

06/01/2020 - 11:50
Braskem
Se o número de vitimas for maior que o esperado, a companhia pode pagar bem mais que o acordo firmado (Imagem: Instagram)

Na sexta-feira, a Braskem (BRKM5) anunciou um acordo no qual a companhia se compromete a pagar R$ 1,7 bilhão a 17 mil moradores que tiveram suas casas danificadas em Maceió (além de R$ 1 bilhão em provisões para fechar alguns poços de mineração).

A decisão foi bem vista pelo mercado, uma vez que deve contribuir para que a petroquímica destrave sua venda, vista como uma das salvações para a Odebrecht

No entanto, a Coluna do Broadcast do jornal O Estado de S.Paulo destacou que o termo do acordo prevê que quem se sentir prejudicado poderá entrar na Justiça, o que ampliaria a conta a ser paga pela petroquímica controlada pela Odebrecht e a Petrobras (PETR4).

Os quatro bairros de Maceió, que foram afetados pela atividade de mineração de acordo com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), reúnem 40 mil pessoas.

As ações da companhia eram negociadas com ganhos de 1,20% a R$ 32,13, por volta das 11h25.

Para o analista Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos, a Braskem volta a figurar como possibilidade de investimento para agentes internacionais após o acordo.

“Ainda mais porque o acordo prevê o desbloqueio de recursos, então, a Braskem consegue se desmobilizar e projetar um cenário mais simétrico, tanto em relação aos fluxos de caixa futuros, como na relação risco versus retorno”, completou.

Arbetman se referiu ao desbloqueio de R$ 3,7 bilhões do caixa da Braskem previsto no acordo. Desse montante, o acerto determina que R$ 1,7 bilhão serão transferidos para uma conta verificada por auditoria externa para uso por programa de reparação dos prejuízos às vítimas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Segundo o vice-presidente de comunicação e desenvolvimento sustentável da Braskem, Marcelo Arantes, o acordo “abrange grande parte da solução” para os problemas surgidos com a movimentação do solo em Alagoas.

Ele afirmou que as chances de uma nova revisão na estimativa de população afetada e dos custos da Braskem com o processo é “mínima”, uma vez que o acordo foi acertado com base no próprio mapa de área atingida definido pela Defesa Civil. Em novembro, a estimativa da empresa envolvia 1.500 pessoas.

Última atualização por Rafael Borges - 06/01/2020 - 11:50

Visto do Reino Unido? Só para “os mais brilhantes do mundo”