Economia

Varejo: Muitos empresários querem surfar onda e esquecem que ela tem fim, diz economista

16 jun 2024, 11:00 - atualizado em 14 jun 2024, 19:45
Alex Agostini
Para Agostini, o grande problema está relacionado à postura do empresariado (Imagem: Divulgação)

Em meio a cenário macro difícil, Alex Agostini, economista chefe da Austin Rating, traça um cenário pessimista para as varejistas. Na Bolsa, as ações têm um ano para esquecer.

Os papéis da Americanas (AMER3), entre os dias 13 de maio e 10 de junho, despencaram de R$ 1,28 para R$ 0,34, perda de 73,44% Outra queda expressiva nas últimas semanas é dos papéis Magalu (MGLU3), de cerca de 27%. Já as ações das Casas Bahia (BHIA3) recuaram R$ 15,98% no mesmo período.

“Olhando uma classificação de análise de balanço, que nós pegamos de AA até H, que é a resolução 2682 do Banco Central, hoje a maior parte das varejistas está na parte de baixo: E, F e H. Ou seja, de altíssimo risco. Inclusive, sobre algumas, a gente recomenda não conceder crédito. Ou conceder mediante algumas contrapartidas”, afirmou o economista durante o Fórum MoOve On 2024.

Agostini avalia o risco corporativo indiretamente, por meio dos balanços que vêm sendo divulgados.

“Infelizmente é uma fotografia muito ruim. E com uma dificuldade de performance. Inclusive, algumas famílias que são majoritárias dessas empresas terão que fazer aportes pela sobrevivência das companhias e, cada vez mais, nós vamos ver Recuperação Judicial e negociações com credores”, alerta.

Para Agostini, o grande problema está relacionado à postura do empresariado. “Crescer desenfreadamente quando a maré positiva cria um risco quando a maré baixa. No Brasil, muitos empresários querem surfar numa onda e esquecem que ela tem fim”, ressalta.

A conjuntura atual também não dá indicativos de que, no curto prazo, haja uma perspectiva de melhora do cenário para estas empresas.

“O Banco Central também já indicou que irá desacelerar ainda mais o ritmo de corte (na taxa de juros), não de intensidade, mas de tempo. Isso tem, naturalmente, impacto no crescimento econômico e na arrecadação”, observa.

Editor-assistente
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.