Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Veja as 5 principais notícias do mercado internacional desta segunda-feira

10/09/2018 - 9:09

Por Investing.com – Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 10 de setembro, sobre os mercados financeiros:

1. Tensões comerciais permanecem em foco

A incerteza em torno das contínuas tensões comerciais continua a dominar os mercados, uma vez que o representante comercial americano Robert Lighthizer se reunirá com representantes da União Européia em Bruxelas nesta segunda-feira.

Esta é a primeira reunião de alto nível desde o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente Donald Trump chegaram a um acordo em julho para discutir tarifas industriais não-automobilísticas, gás liquefeito gás natural e soja.

O jornal alemão Handelsblatt informou que a comissária de comércio da UE, Cecilia Malmstrom, planeja ficar longe de questões delicadas, como automóveis ou agricultura, e se concentrar em questões menos agressivas, para os EUA como exportações de carne bovina ou normas técnicas europeias.

A reunião acontece enquanto as tensões comerciais entre os EUA e a China continua aumentando. Embora as recentes tarifas de US$ 200 bilhões em produtos chineses ainda não tenham sido implementadas, Trump alertou na sexta-feira que estava preparado para acrescentar outros US$ 267 bilhões.

“Os US $200 bilhões de que estamos falando podem acontecer muito em breve, dependendo do que acontecer com eles”, disse Trump. “Eu odeio dizer isso, mas além disso, existem outros US$ 267 bilhões prontos para entrar em vigor em curto prazo, se eu quiser.”

O Ministério das Relações Exteriores da China prometia responder nesta segunda-feira caso os EUA tomassem novas medidas em relação ao comércio.

Enquanto isso, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, garantia na segunda-feira trabalhar pelo livre comércio nas negociações com os EUA. “As sanções comerciais na base do ‘olho por olho’ não beneficiam nenhum país”, disse Abe em um encontro de parlamentares do Partido Liberal Democrata, na segunda-feira.

As declarações vieram em seu primeiro discurso de política desde que Trump insinuou na semana passada que estava adicionando o Japão à lista de alvos tarifários.

2. Bolsas de todo o mundo enfrentam maior período de perdas em 2 anos

As ações mundiais flertavam com a sequência de quedas desde o início de 2016 na segunda-feira, atingidas pela ansiedade crescente com a guerra comercial EUA-China e outro aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve no final deste mês.

As ações da Ásia fecharam sem sinal único na segunda-feira, apesar do Shanghai Composite da China ter sentido a tensão, liderando as quedas com mais de 1%.

Bolsas europeias registravam leves ganhos, à medida que o setor financeiro ajudava as ações a aumentar, enquanto a reunião entre os EUA e os negociadores comerciais europeus pode fazer com que a tensão comercial aumente.

O mercado de futuros apontavam para uma maior abertura, recuperando-se depois que o Nasdaq fechou na semana passada por quatro sessões seguidas em seu pior começo de setembro desde 2008. Às 7h01, o blue chip futuros do Dow ganhava 70 pontos, ou 0,27%, os futuros do S&P 500 subiam 9 pontos, ou 0,30%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 tinha alta de 36 pontos ou 0,48%.

3. Dólar cai quando a decisão da política do Fed se aproxima

Às 7h04 o índice dólar, que mede a força da moeda em comparação com a cesta das seis principais moedas, caía 0,09% para 95,29.

dólar caia contra os principais rivais na segunda-feira, com os investidores embolsando alguns lucros do relatório de empregos otimistas da semana passada, o que empurrou o índice dólar de volta para 95.

O relatório de emprego de sexta-feira consolidou as expectativas de que o Federal Reserve aumente um quarto de ponto as taxas de juros na reunião de 25-26 de setembro.

As probabilidades também aumentaram para uma elevação adicional em dezembro, fixando-se em 80%, em comparação com cerca de 70% em relação ao lançamento da semana passada.

No fim de semana, o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, deu indicações que o banco central não precisa se mover mais rápido do que o atual ritmo gradual, o que se traduz em aproximadamente um aumento de taxa por trimestre, com o próximo esperado no final deste mês. “Esse ritmo constante é um luxo ganho ao começar cedo”, disse ele, contornando a necessidade de se mover mais rapidamente e alcançar uma economia mais restritiva.

4. Preços do petróleo sobem à medida que os EUA atividade de perfuração americana está confortável

Os preços do petróleo subiram na segunda-feira assim que algumas empresas americanas de energia anunciaram o corte na produção de algumas sondas na semana passada e a oferta deve se contrair, já que as sanções de Washington contra o Irã entrarão em vigor em novembro.

Os contratos futuros de petróleo dos EUA avançavam 0,55%, para US$ 68,12 às 7h07, enquanto o petróleo Brent subia 0,65%, para $ 77,33.

Os perfuradores cortaram duas sondas na semana passada, elevando o total para 860, de acordo com prestadora de serviços de energia, Baker Hughes. Relatórios mostraram que a contagem de sondas nos EUA estagnou desde maio.

As sanções contra o Irã, o quinto maior exportador mundial de petróleo, entrarão em vigor em novembro. A consultoria de energia FGE disse que vários clientes do país, incluindo Índia, Japão e Coréia do Sul, vão cortar suas compras de petróleo.

5. Decisões de política de mercados emergentes em foco

Os bancos centrais da Turquia e da Rússia tomarão decisões sobre política monetária nesta semana, com os mercados prontos para ver como os bancos centrais dos dois países lidarão com suas respectivas moedas fracas.

A economia turca cresceu 5,2% ano-a-ano no segundo trimestre mostravam os dados oficiais desta segunda-feira, no que se espera que seja o último dado de crescimento sólido antes de uma esperada desaceleração do segundo semestre, enquanto a Turquia enfrenta uma crise cambial. Os dados não conseguiram aumentar a lira turca que caiu quase 30% contra o dólar durante o terceiro trimestre.

rublo russo enfraqueceu acima de 70 em relação ao dólar pela primeira vez desde março de 2016 nesta segunda-feira, permanecendo sob pressão das preocupações e da incerteza sobre sanções americanas.

O banco central da Turquia anunciará sua decisão sobre as taxas de juros na quinta-feira, enquanto a governadora russa, Elvira Nabiullina, disse que as duas principais opções são manter ou aumentar as taxas na sexta-feira.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , , ,

Última atualização por Victor Fermino - 10/09/2018 - 9:09

Cotações Crypto
Pela Web