Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Veja os fundos imobiliários prediletos dos investidores de alta renda e dos Private Banks

26/12/2019 - 11:52
Confira levantamento exclusivo da SmartBrain com clientes de alta renda e de Private Banks (Imagem: Pixabay)

Um dos setores que mais sofreram com a crise nos últimos anos, o mercado imobiliário está “dando a volta por cima”.

O Produto Interno Bruto da construção civil deverá crescer 2% este ano e 3% em 2020, segundo estimativas do Sinduscon-SP em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Novos projetos estão saindo do papel em um cenário de queda da taxa de juros e inflação sob controle.

Popularidade crescente

Nunca se falou tanto em fundos imobiliários nas plataformas de investimentos, nas casas de research, na imprensa e nas redes sociais. Hoje são mais de 200 FIIs listados na Bolsa, contra 178 no final de 2018.

No ano, o Ifix – Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários, a média das cotas negociadas na B3, teve alta de 30,8% entre janeiro e 19 de dezembro deste ano.

A principal vantagem dos FIIs é a possibilidade de investir em empreendimentos de qualidade ou em títulos de crédito imobiliário selecionados por gestores especializados, sem enfrentar burocracias.

Outros pontos favoráveis são aportes iniciais acessíveis e dividendos isentos de imposto de renda.

Neste contexto, a SmartBrain realizou levantamento com os fundos imobiliários prediletos dos grandes investidores que têm assessoria de consultores e gestores independentes.

Veja levantamento com clientes de alta renda:

Fonte: Big Data SmartBrain

Segundo nosso Big Data, dos “Top 10” fundos, nove tiveram retornos superiores a duas casas decimais, entre 13,17% e 40,88% em 12 meses terminados em novembro – acima do CDI (5,57%), sem considerar um estreante no mercado.

De outubro para novembro, o CSHG Real Estate (HGRE11), fundo de lajes corporativas que tem a gestão do Credit Suisse Hedging-Griffo, passou do segundo para o primeiro lugar no ranking.

Em segundo lugar apareceu o Plural Recebíveis Imobiliários (PLCR11), fundo de recebíveis imobiliários da Plural Gestão de Recursos, um dos mais novatos na Bolsa.

Já o BTG Pactual Corporate Office (BRCR11) do BTG Pactual com foco em lajes corporativas, subiu do terceiro para o quarto lugar.

O CSHG Hedge Top FoF III (HFOF11), fundo de fundos imobiliários da gestora independente Hedge Investments e o Kinea Índice de Preços (KNIP11), fundo de renda fixa imobiliária da Kinea, que já tinham aparecido em outros meses no levantamento, retornaram à lista de favoritos.

Outros entrantes foram o TG Ativo Real (TGAR11) da TG Core Asset, que tem uma carteira híbrida com recebíveis e ativos de desenvolvimento imobiliário; o XP Malls (XPML11), que atua no ramo de shopping centers e é gerido pela XP Investimentos e o Quasar Agro (QAGR11), de empreendimentos voltados ao agronegócio, que é da Quasar Asset Management.

O Kinea Renda Imobiliária (KNCR11), de títulos imobiliários da Kinea, subiu desceu do quinto para o sétimo lugar e o CSHG Logística (HGLG11), fundo da área de galpões logísticos sob a gestão do Credit Suisse Hedging-Griffo passou do sétimo para o oitavo lugar.

Saíram do ranking em novembro: BTG Pactual Fundo de Fundos (BCFF11), CSHG Brasil Shopping (HGBS11), Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11), Kinea Renda Imobiliária (KNRI11), XP Log (XPLG11) e CSHG Recebíveis Imobiliários (HGCR11).

Você investe em FIIs? Simule agora alguns FIIs na sua carteira de investimentos. Use gratuitamente um simulador de carteiras!

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 26/12/2019 - 11:52

Pela Web