Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Via Varejo: ação está barata em relação aos pares e BTG eleva o preço-alvo

20/11/2020 - 21:19
Via Varejo Ponto Frio Casas Bahia Extra.com.br
Os analistas elevaram o preço-alvo da varejista para R$ 21, ante os R$ 13 anteriores, o que significa potencial de valorização de 17% (Imagem: Gustavo Kahil/Money Times)

A Via Varejo (VVAR3) segue exibindo sinais de que está dando a volta por cima, afirma o BTG Pactual em relatório enviado a clientes nesta sexta-feira (20).

Segundo os analistas Luiz Guanais, Gabriel Savi e Ricardo Cavaliera, o forte aumento no tráfego do comércio eletrônico nos últimos meses, aproveitando a migração dos consumidores de offline para online, é promissor.

“A liquidez (um problema no início da Covid-19) também está sob controle, permitindo mais investimentos na frente de capital de giro”, argumentaram.

Com isso, os analistas elevaram o preço-alvo da varejista para R$ 21, ante os R$ 13 anteriores, o que significa potencial de valorização de 17% em relação ao último fechamento. A recomendação é de compra.

“Vemos a Via Varejo sendo negociada a 0,8 vezes o EV/GMV (valor da empresa sobre o volume bruto de mercadorias) em 2021, abaixo de seus pares, oferecendo um potencial de valorização para os investidores no curto prazo”, disseram.

Para se ter uma ideia, pelos cálculos do BTG, o Magazine Luiza (MGLU3), seu principal concorrente, negocia a um EV/GMV de 2,5 vezes em 2021.

Caminho sem volta

Segundo analistas, a empresa divulgou um conjunto decente de resultados no terceiro trimestre, com a expansão do e-commerce e a alavancagem operacional como principais pontos positivos.

O GMV (volume bruto de mercadorias) online disparou 219% no ano, embora com queda de 20% em relação ao segundo trimestre, puxado pela operação de marketplace.

Além disso, os analistas destacam a aquisição da I9XP, empresa de tecnologia especializada no desenvolvimento de soluções de e-commerce para varejistas, com 17% de participação na Distrito, um polo de inovação e plataforma que apoia empresas em sua transformação digital.

A companhia também se aproveita dos seus 85 milhões de clientes para criar um ecossistema de dados para oferecer suporte a precificações, logística e marketing, observam os especialistas.

“Combinar mais tráfego e melhorias nos níveis de serviço será fundamental, uma vez que pretendem ganhar escala em sua plataforma 3P nos próximos trimestres, diversificando o número de categorias oferecidas”, afirmaram.

A equipe lembra que provavelmente o e-commerce irá desacelerar no próximo ano, o que pode elevar a volatilidade das ações. Mesmo assim, eles estão otimistas e veem uma tendência de consolidação da varejista.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 23/11/2020 - 1:35