Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Vivo: resultados não encheram os olhos, mas ação ainda é uma boa aposta

12/05/2021 - 15:16
Vivo
A Vivo reportou queda de 18% no lucro líquido do primeiro trimestre do ano ante o mesmo período de 2020, com o montante totalizando R$ 942 milhões (Imagem: Renan Dantas/Money Times)

A Vivo (VIVT3) apresentou resultados neutros, na opinião dos analistas, com a receita líquida e o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) vindo em linha com as expectativas.

A companhia reportou queda de 18% no lucro líquido do primeiro trimestre do ano ante o mesmo período de 2020, com o montante totalizando R$ 942 milhões.

A receita ficou estável em R$ 10,8 bilhões, enquanto o Ebitda recorrente teve leve alta de 0,5%, com o montante permanecendo em R$ 4,4 bilhões. A margem Ebitda recorrente subiu 0,1 ponto percentual, para 41,1%.

A visão geral da Guide Investimentos é de que a empresa não conseguiu capturar um ambiente favorável do setor de telecomunicações com a pandemia.

Já para a Ativa Investimentos, a Vivo, mesmo não tendo apresentado um resultado trimestral de “encher os olhos”, conta com pontos a favor. Segundo a corretora, além dos ganhos de eficiência e da boa geração de caixa operacional, a companhia deve desembolsar investimentos necessários para captar valor com a chegada do 5G.

A corretora reforçou a indicação de compra da ação, com preço-alvo de R$ 57. O valor corresponde a um potencial de valorização de 30,1% em relação à cotação do fechamento de ontem, de R$ 43,80.

O Safra destacou que, apesar da performance fraca na receita, a queda na taxa das receitas fixas está diminuindo trimestre a trimestre, o que sugere que a companhia verá uma dinâmica mais encorajadora pela frente.

Olhando para o longo prazo, o banco acredita que os novos negócios da companhia, como o Vivo Money, o Vivo Itaucard e o Vivo Pay, vão aumentar a capacidade de monetização da base de clientes, trazendo mais valor aos acionistas.

O Safra reiterou a classificação de outperform (desempenho esperado acima da média do mercado) e o preço-alvo ao fim de 2021 de R$ 58 para a Vivo. Além de ser uma boa pagadora de dividendos, a Vivo está sendo negociada a 4,6 vezes EV/Ebitda (valor da empresa sobre Ebitda), em linha com a TIM (TIMS3) e abaixo dos níveis da América Móvil, dona da Claro, que é negociada a 5,3 vezes.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Diana Cheng - 12/05/2021 - 15:16

Pela Web