BusinessTimes

4 empresas do setor imobiliário que devem aguentar com maior tranquilidade a alta da inflação

09 maio 2022, 15:31 - atualizado em 09 maio 2022, 15:38
Incorporadoras
Para os papéis de alto padrão das incorporadoras, a XP Investimentos enxerga resultados “mais resilientes” no primeiro trimestre (Imagem: Cyrela/Divulgação)

Em meio ao cenário inflacionário desafiador, com juros mais altos e a dificuldade de repasse de preços, a XP Investimentos espera resultados mistos para o segmento de média e alta renda do setor de imobiliário no 1T22.

Para os papéis de alto padrão da JHSF (JHSF3), Cyrela (CYRE3), Lavvi (LAVV3) e Melnick (MELK3), a corretora enxerga resultados “mais resilientes” no primeiro trimestre.

Para os papéis de baixa renda, a XP continua vendo uma forte pressão nos custos de construção, impactando negativamente a margem bruta e a geração de caixa das companhias.

Segundo a corretora, os nomes que atuam na parte inferior do grupo 2 do programa Casa Verde e Amarela (CVA) são os principais a serem afetados.

Na outra ponta, são esperados resultados positivos das empresas focadas no topo do programa “com base nas excelentes margens brutas no 1T22, apoiadas pelo maior poder de precificação e o sólido crescimento da receita, impulsionado pelo forte desempenho das vendas líquidas”.

Construtoras de média e alta renda

JHSF

A JHSF apresentou uma prévia operacional sólida no 1T22, com recuperação significativa no segmento de shoppings, segundo a XP. As vendas aumentaram mais de 86,8%, ante 1T21, atingindo R$ 788 milhões.

No negócio de incorporação imobiliária (principal segmento da JHSF), a companhia registrou queda de 11,5% ante o mesmo período de 2021, com as vendas somando R$ 306,7 milhões “explicadas pelo Complexo Boa Vista que atingiu R$ 266,5 milhões”.

As vendas das unidades prontas da Fazenda Boa Vista diminuíram, “o que deve resultar em uma margem bruta de 67,6%”.

A XP espera forte receita líquida no primeiro trimestre, atingindo R$ 453 milhões e estima que o lucro líquido acelere para R$ 206 milhões.

Cyrela

A Cyrela apresentou lançamentos com R$ 1,04 bilhão em valor geral de vendas – alta de 146% em relação ao mesmo período de 2021. Nas vendas líquidas, houve um aumento de 27% (vs 2021), atingindo R$ 1,31 bilhão no 1T22.

Apesar das altas, a XP tem uma visão neutra para a incorporadora, com receita líquida atingindo R$ 1,10 bilhão.

“Além disso, estimamos que a margem bruta diminua ligeiramente atingindo 32,8%, explicada por um mix de receitas da Cyrela no 1T22 com menor margem bruta, impactado negativamente por um projeto no Rio, e pela pressão de custos de construção”.

A corretora projeta um lucro líquido de R$ 172 milhões para a Cyrela.

Lavvi

Impulsionada por lançamentos que atingiram R$ 230 milhões, a Lavvi divulgou uma prévia operacional neutra no 1T22.

Nas vendas líquidas, a construtora registrou crescimento de 89% atingindo R$ 162 milhões, “levando a uma velocidade de vendas saudável de 20% no 1T22 vs. 22% no 4T21, apesar do cenário macro desafiador”.

A XP espera uma melhora nos resultados da construtora numa comparação anual, com a receita atingindo R$ 99 milhões no primeiro trimestre.

A corretora estima que a margem bruta diminua, “atingindo 35,8 impulsionada pelo mix de receita com menor margem bruta, devido ao projeto High Wonder”.

Para o lucro líquido, a XP espera que haja uma aceleração, com a incorporadora atingindo R$ 23 milhões.

Melnick

A Melnick apresentou dados mistos no primeiro trimestre, que se justificam por lançamentos que cresceram 23%, atingindo R$ 578 milhões.

Nas vendas líquidas, o desempenho da companhia apresentou queda de 20% em relação ao mesmo período de 2021, atingindo R$ 87 milhões.

Apesar dos números, a XP espera um resultado positivo para a Melnick, com receita líquida atingindo R$ 192 milhões.

“Além disso, o mix de receita deve ter margens mais fortes, beneficiadas por projetos de alto padrão, elevando a margem bruta para 28,6%”.

Para a corretora, o lucro líquido deverá acelerar para R$ 23 milhões.

EZTec (EZTC3)

A EZTec apresentou dados neutros na sua prévia no 1T22, com lançamentos atingindo R$ 489 milhões. As vendas líquidas do primeiro trimestre deste ano somaram 303 milhões de reais, o que equivale a um aumento de 28,9% em relação a um ano antes.

Para o resultado do 1T22, a XP não tem grandes expectativas de melhora e prevê a receita líquida atingindo R$ 223 milhões.

A corretora espera uma margem bruta de 42,1%.

Em relação ao lucro líquido, a XP estima que acelere, atingindo 94 milhões, motivado principalmente pelas receitas financeiras.

Even (EVEN3)

Por conta dos dados operacionais mais fracos divulgados pela incorporadora no trimestre, a XP espera resultados mistos no 1T22 para a Even.

Os lançamentos da companhia diminuíram, “atingindo R$ 778 milhões, menos 16% ante 2021”.

Nas vendas líquidas também houve queda, de 57% (vs 2021), atingindo R$ 252 milhões, levando a velocidade de vendas (VSO) para 8% vs. 13% no 4T21.

A corretora espera que a receita líquida atinja R$ 470 milhões “levando a margem bruta ajustada a desacelerar para 27,7% “impactada negativamente pelo mix de receitas do 1T22 com foco em projetos de média renda, que possuem margens menores”.

A perspectiva da XP para o lucro líquido da construtora é uma queda significativa, atingindo R$ 30 milhões, menos 64% ante 2021.

Trisul (TRIS3)

Para a Trisul, a XP espera um trimestre com resultados fracos, com as vendas líquidas caindo “acentuadamente 32% ante 2021, atingindo R$ 120 milhões”.

Pela projeção da corretora, a receita líquida da construtora deve ficar em “R$ 154 milhões e a margem bruta de 33,6%, desacelerando 5,1 p.p. na comparação anual, devido principalmente à pressão inflacionária dos custos de construção”.

A XP prevê que o lucro líquido diminua para R$ 14 milhões (queda de 59% vs 2021), refletindo o menor lucro previsto de R$ 52 milhões.

MRV
Para os papéis de baixa renda, a XP continua vendo uma forte pressão nos custos de construção (Imagem: MRV/Bruno Correa/NITRO)

Construtoras de baixa renda

Cury (CURY3)

Para as incorporadoras de baixa renda, a XP espera que a Cury continue sua tendência de resultados sólidos (como em 2021) no 1T22.

A construtora apresentou fortes dados operacionais no trimestre, “impulsionados principalmente por lançamentos robustos, atingindo R$ 781 milhões e vendas líquidas recorde, atingindo R$ 753 milhões”.

A corretora espera melhoras sólidas para a companhia na comparação com o ano passado no 1T22, com receita líquida de R$ 423 milhões.

A margem bruta deve acelerar, “atingindo 36,2%, acompanhando o maior preço médio por unidade da empresa”.

Para o resultado, a XP estima que o lucro líquido aumente para R$ 65 milhões.

Direcional (DIRR3)

Em sua prévia operacional, a Direcional apresentou resultados sólidos “impulsionados por lançamentos robustos de R$ 557 milhões e vendas líquidas resilientes atingindo R$ 508 milhões”.

A XP espera melhorias sólidas para a construtora no 1T22 com receita líquida de R$ 472 milhões.

“Além disso, a margem bruta deve ficar estável na comparação anual, atingindo 35,6%, explicada pelo maior preço médio por unidade dos segmentos Direcional e Riva, compensando a pressão dos custos de construção”.

A corretora, com exatidão em sua perspectiva, esperava que lucro líquido acelerasse e, atingisse R$ 35 milhões (+31% ante 2021). A construtora e incorporadora fechou o primeiro trimestre de 2022 com lucro líquido ajustado de R$ 35,632 milhões.

MRV (MRVE3)

Do lado negativo, ficou a MRV, na visão da XP, apesar de acreditar que a AHS (subsidiária americana da MRV) continue ganhando relevância nos resultados da MRV no 1T22, “o desempenho das operações brasileiras foi abaixo do esperado e deve impactar negativamente a margem bruta no trimestre”.

Na prévia operacional da empresa, a AHS informou que a conclusão da venda do projeto Coral Reef, levou as vendas líquidas da subsidiária para R$ 221 milhões.

“Por outro lado, os lançamentos da MRV&Co atingiram R$ 1,73 bilhão, prejudicados pelo core business da empresa (marca MRV) atingindo R$ 1,03 bilhão”.

As estimativas para os resultados são “levemente negativos para a MRV no 1T22, com receita líquida atingindo R$ 1,6 bilhão.”

A margem bruta deve atingir 22,9%, afetada pela pressão de custos.

A XP espera que o lucro líquido desacelere atingindo R$ 105 milhões, “apesar da contribuição positiva da AHS no resultado”.

Tenda (TEND3)

Para o 1T22, na visão da XP, a construtora Tenda deve seguir com seu processo de recuperação de margens, o que implica no seu resultado.

A Tenda apresentou dados operacionais fracos no 1T22, “explicados por lançamentos que caíram acentuadamente (-23,5% ante 2021), atingindo R$ 467 milhões e as vendas líquidas em queda, atingindo R$579 milhões”.

A estimativa da corretora é “mais um trimestre de resultados negativos para a Tenda com receita líquida de R$ 602 milhões”.

A margem bruta deve manter níveis fracos, atingindo 17,5%, apesar da estratégia da empresa de aumentar seu preço médio por unidade.

A XP projeta um trimestre de lucro líquido negativo, atingindo -R$ 66 milhões.

Plano & Plano (PLPL3)

A Plano&Plano apresentou dados operacionais sólidos em sua prévia no 1T22, “impulsionados principalmente por vendas recorde, atingindo R$372 milhões”.

Com isso, a velocidade das vendas aumentou para um patamar saudável de 41,2% (vs. 39,2% no 4T21 e 38,8% no 1T21), refletindo o robusto desempenho de vendas.

Apesar disso, a XP espera que “a pressão de custos continue impactando os resultados da companhia na comparação anual, levando a margem bruta para 28,2%”.

A corretora estima uma receita líquida estável, atingindo R$314 milhões.

Para os resultados, a XP espera “uma queda acentuada do lucro líquido atingindo R$ 21 milhões, impactado negativamente pela compressão da margem bruta”.

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Receba as newsletters do Money Times!

Cadastre-se nas nossas newsletters e esteja sempre bem informado com as notícias que enriquecem seu dia! O Money Times traz 8 curadorias que abrangem os principais temas do mercado. Faça agora seu cadastro e receba as informações diretamente no seu e-mail. É de graça!

Repórter
Graduanda em jornalismo pela Universidade Estácio de Sá. Tem experiência cobrindo mercados, ações, investimentos, finanças, negócios, empreendedorismo, franquias, cultura e entretenimento. Ingressou no Money Times em 2021.
Linkedin
Graduanda em jornalismo pela Universidade Estácio de Sá. Tem experiência cobrindo mercados, ações, investimentos, finanças, negócios, empreendedorismo, franquias, cultura e entretenimento. Ingressou no Money Times em 2021.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.