Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ações da Petrobras, negociadas em NY, despencam 5% com queda do petróleo

11/06/2020 - 11:32
PETR4 Petrobras
A queda das ações da Petrobras pressiona para baixo o ETF Ishares MSCI Brazil, que lista empresas brasileiras em Nova York (Imagem: Reuters/Sergio Moraes)

As representações das ações da Petrobras (PETR3; PETR4), negociadas na bolsa de Nova York, caíam mais de 5% na manhã desta quinta-feira (11), acompanhando a derrocada nos preços do petróleo no mercado internacional.

O ativo (PBR.A), que equivale aos papéis preferenciais (PETR4) da estatal se desvalorizava 3,82% a US$ 8,19,  por volta das 11h30 (horário de Brasília). Já o (PBR), que corresponde às ações ordinárias (PETR3), despencava 5%, a US$ 8,40.

O abalo das ações da Petrobras pressiona para baixo o ETF Ishares MSCI Brazil (EWZ), que lista empresas brasileiras em Nova York. O índice caía 4,91%, ou US$ 1,55, negociado a US$ 30,27.

Situação do petróleo

Queda da commodity puxa tapete da estatal brasileira (Imagem: Reuters/Brendan McDermid)

O petróleo Brent negociado em Londres, referência para a Petrobras, teve uma desvalorização de 5,13%, ou US$ 2,13, com barril negociado a US$ 39,22. Já o petróleo dos Estados Unidos, West Texas Intermediate (WTI), pendia mais de 6% para baixo, ou US$ 2,74, com barril negociado a US$ 36,93.

A alta do petróleo na quarta, tanto em Londres quanto em Nova York, não refletiu a elevação dos estoques americanos, porque o anúncio chegou quando os mercados estavam praticamente fechando. Nesta quinta-feira (11), os agentes contabilizam melhor e o barril cede forte.

As dificuldades de retomada da demanda e de que a prorrogação dos cortes de produção pela Opep+ seja insuficiente, além de duvidosa, ficaram ascendentes com o reporte de 8,4 milhões de barris divulgado pela American Petroleum Institute (API).

E se somou ao divulgado pelo Departamento de Energia do país, de 5,72 milhões/barris na semana passada.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Lucas Simões - 11/06/2020 - 13:38