Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Alta de preços de alimentos é efeito de choque temporário, diz Funchal

09/09/2020 - 20:19
Alimentos Supermercados Desabastecimento
O secretário destacou, ainda, uma redução global da oferta de alguns produtos alimentícios (Imagem: Reuters/Andreas Gebert)

O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, afirmou nesta quarta-feira que a elevação dos preços de produtos alimentícios no Brasil é efeito de um choque temporário, que deve se reverter em breve, apesar de pontuar tratar-se de um fenômeno mundial.

A pressão sobre os preços, segundo Funchal, é resultado de três fatores. Primeiramente, a injeção fiscal promovida pelas autoridades mundiais como forma de fazer frente aos efeitos da pandemia da Covid-19 sustentou o consumo.

O isolamento social, por sua vez, levou a uma redução dos gastos com serviços, o que gerou uma migração de recursos para o consumo.

O secretário destacou, ainda, uma redução global da oferta de alguns produtos alimentícios.

“Por mais que o Brasil tenha mantido as ofertas no setor agrícola, agropecuário… no resto do mundo, não. Você teve uma redução de oferta, e isso acabou se traduzindo. É temporário, é um choque temporário. Isso vai se reverter em breve, mas é um fenômeno mundial e tem a ver com a pandemia”, afirmou Funchal em videoconferência promovida pela FUCAPE Business School.

Segundo Funchal, em contato com o presidente do Banco Central nesta quarta-feira, Roberto Campos Neto disse ter tratado do tema em sua participação em encontro do Banco de Compensações Internacionais (BIS) nesta manhã.

“Eu estava conversando com o presidente do Banco Central agora há pouco, e ele me mostrou. Ele estava em uma reunião do BIS, e falando isso, nessa reunião internacional. O aumento nos Estados Unidos é assim, no Japão é assim, no México já tem até o nome do efeito, é efeito tortilha”, disse Funchal.

No mês passado, o segundo maior impacto sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) veio de Alimentação e bebidas, que registrou alta de 0,78% em agosto depois de ficar praticamente estável no mês anterior.

Os alimentos para consumo no domicílio subiram 1,15%, influenciados principalmente pela alta nos preços do tomate (12,98%), do leite longa vida (4,84%), das frutas (3,37%) e das carnes (3,33%).

O presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar na semana passada que pediria “patriotismo” aos donos de supermercados para evitar aumentos de preços aos consumidores.

Na terça-feira, ele disse que tem pedido aos lojistas que produtos essenciais sejam vendidos com margem de lucro “próxima de zero”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 09/09/2020 - 20:19