Entre Altas e Baixas

Altas e baixas do Ibovespa: Vale (VALE3) a R$ 76 e salto da CSN (CSNA3); veja os destaques desta segunda (20)

20 nov 2023, 13:17 - atualizado em 20 nov 2023, 13:17
ibovespa-ibov-mercados-acoes
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e outras empresas de mineração e siderurgia (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O Ibovespa (IBOV) engata sua quarta sessão seguida de valorização, recebendo suporte do otimismo que predomina nos mercados americanos, além da forte alta das ações da Vale (VALE3), puxadas pelos preços do minério de ferro negociados na Ásia.

Mesmo com o feriado em várias cidades do Brasil, incluindo São Paulo, o índice de referência da Bolsa brasileira subia 0,54% perto das 13h05, no patamar dos 125.449 pontos, renovando máximos no ano. É também o maior nível visto desde julho de 2021.

Segundo análise gráfica da Ágora Investimentos, o Ibovespa segue com o rali de curto prazo. Acima dos 123.000 pontos, busca topo histórico formado em agosto de 2021 na região dos 131.000, diz.

Por outro lado, em caso de retorno abaixo de 123.000 pontos, o movimento seria baixista.

“O índice, neste caso, poderia formar topo na região e iniciar um processo corretivo em direção ao suporte mais próximo, que ficou marcado aos 119.200 pontos”, afirma a instituição.

Mineradoras e siderúrgicas dominam sessão

No início da tarde, as ações do setor de mineração e siderurgia lideravam as altas do Ibovespa, com os saltos de 8,14% e 3,68% de CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM5), respectivamente, sendo destaques.

O Bank of America elevou a recomendação das ações para compra, sob perspectiva de preços mais altos para o minério de ferro. Também com a ação elevada, Vale subia 2,76%.

Enquanto isso, Gerdau (GGBR4) e a controladora Metalúrgica Gerdau (GOAU4) recuavam 3,33% e 3,55%. Na mesma atualização, o BofA rebaixou os papéis a “neutro”.

Petrobras (PETR4) avançava 0,79%, enquanto Prio (PRIO3) subia 3,12% como destaque positivo, seguindo a valorização do petróleo nos mercados internacionais.

Editora-assistente
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atua como editora-assistente do Money Times há pouco mais de três anos cobrindo ações, finanças e investimentos. Antes do Money Times, era colaboradora na revista de Arquitetura, Urbanismo, Construção e Design de interiores Casa & Mercado.
Linkedin