Economia

‘Aperto de mãos’ entre Haddad e banqueiros traz alguma clareza sobre ajuste fiscal

14 jun 2024, 14:27 - atualizado em 14 jun 2024, 15:19
fernando haddad fiscal ibovespa
‘Aperto de mãos’ entre Haddad e banqueiros traz clareza sobre ajuste fiscal (Imagem: Flickr/ Ministério da Fazenda/ Diogo Zacarias)

O presidente da Febraban, Isaac Sidney, declarou apoio institucional ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Após reunião entre o ministro e banqueiros, Sidney disse que está convencido de que Haddad está determinado em buscar o ajuste fiscal.

Esse compromisso com o equilíbrio das contas deve ser preservado e o Ministério precisará de apoio firme do governo, do Congresso e do empresariado para cumprir com a missão, afirmou o presidente da Febraban.

O encontro fechado com os banqueiros aconteceu na manhã desta sexta-feira (14). Além de Sidney, estavam presentes: Luiz Trabuco, presidente do conselho do Bradesco e do conselho diretor da Febraban; André Esteves, fundador do BTG Pactual; Milton Maluhy, presidente do Itaú Unibanco; Marcelo Noronha, CEO do Bradesco; e Mário Leão, presidente do Santander.

Na sexta-feira passada (7), Haddad já tinha se reunido com executivos do Santander e gestores de investimento parceiros do banco. Na ocasião, teria sido discutida uma proposta de mudança no arcabouço fiscal, uma vez que a equipe econômica precisa lidar com um contingenciamento de R$ 30 bilhões.

O problema é que essa informação vazou para o mercado, levando a bolsa cair mais de 1,73% e perder os 122 mil pontos.

Haddad reclamou do vazamento e disse que as declarações foram mal interpretadas e replicadas de forma irresponsável. Segundo ele, o que aconteceu é que, ao ser questionado sobre o assunto, ele respondeu que haveria a possibilidade do contingenciamento graças à própria dinâmica do arcabouço.

Ibovespa respira aliviado após banqueiros apoiarem Haddad

Ibovespa (IBOV) abriu o pregão desta sexta volátil. O principal índice da bolsa brasileira, inclusive, chegou a perder o patamar dos 119 mil pontos nesta manhã.

No entanto, após a declaração do presidente da Febraban, em apoio a Haddad, o IBOV respirou aliviado. Às 14h15, o índice subia 0,18%, a 119.777 pontos.

Nos últimos três dias, o Ibovespa perdeu uma série de patamares importantes. Segundo o Itaú BBA, caso o índice continue sua movimentação abaixo dos 120 mil pontos, é possível que rompa o suporte e atinja sua mínima observada em outubro de 2023, os 111.600 pontos.

“O momento é de cautela no curto prazo, pois o cenário de quedas mais acentuadas à frente existe e aumentou a probabilidade”, afirmam Fábio Perina, Lucas Piza e Igor Caixeta.

Editora-assistente
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin
Editora-assistente no Money Times e graduanda em Jornalismo pela Unesp - Universidade Estadual Paulista. Entrou para a área de finanças e investimentos em 2021.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.