Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Aplicativo de decoração Mobly pede registro de IPO na CVM

07/12/2020 - 17:48
Mobly
Desconfortável: balanço da Mobly mostra prejuízos em série e ebitda negativo (Imagem: LinkedIn/ Mobly)

A Tok&Stok, que prepara sua abertura de capital, ganhará uma concorrente na Bolsa. Trata-se da Mobly, cuja força vem do varejo digital de móveis e artigos de decoração. A empresa protocolou, nesta segunda-feira (7), seu pedido de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) junto à CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A operação abrangerá uma oferta primária (cujos recursos vão para a empresa) e uma secundária (cujos recursos irão para os acionistas vendedores). O Morgan Stanley será o coordenador líder da emissão, que contará também com o Bradesco BBI.

Na minuta do prospecto preliminar, a Mobly se apresenta como o aplicativo líder no segmento de decoração, com 300 mil usuários ativos (aqueles que usaram o aplicativo nos últimos 30 dias). No fim de outubro, a base total era de 360 mil usuários.

A empresa também está presente nos marketplaces do Magazine Luiza (MGLU3), Via Varejo (VVAR3), B2W (BTOW3), Carrefour (CRFB3), Amazon e Mercado Livre, entre outros. Segundo a companhia, os canais digitais responderam por 90% de sua receita líquida no acumulado de janeiro a setembro.

No mesmo período, seu GMV (Volume Bruto de Vendas, na sigla em inglês) somou R$ 560 milhões. Já a receita avançou a um ritmo médio anual de 39% entre 2017 e 2019, passando de R$ 211 milhões para R$ 407 milhões. No acumulado de nove meses deste ano, a receita já alcançou R$ 421 milhões.

Pregos na cadeira

Outras linhas do balanço, contudo, mostram que a Mobly não goza, exatamente, de uma saúde financeira impecável. O ebitda, importante referência para a geração de caixa, registrou sucessivos resultados negativos entre 2017 e 2019. Com um saldo positivo de R$ 14,3 milhões no acumulado até setembro, a companhia parece caminhar para o primeiro ano de alívio nesta rubrica.

A última linha do balanço, por sua vez, parece longe de alegrar os potenciais investidores. A empresa registrou prejuízos líquidos consecutivos de 2017 a 2019. E, a julgar pelo desempenho até setembro (um prejuízo acumulado de R$ 16,6 milhões), 2020 será outro ano no vermelho.

De acordo com a minuta do prospecto, a Mobly pretende utilizar os recursos captados no IPO como capital de giro e para fortalecer a estrutura financeira. Parte do dinheiro também será investido em marketing. A abertura de lojas físicas e centros de distribuição, bem como a aquisição de equipamentos de informática completam os planos.

Veja a minuta do prospecto preliminar do IPO da Mobly.

 

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Márcio Juliboni - 07/12/2020 - 17:51