Economia

Após taxação de 20%, ‘blusinha’ da Shein pode ficar R$ 62,79 mais cara; entenda

06 jun 2024, 11:21 - atualizado em 06 jun 2024, 11:21
shein blusinha taxação imposto quanto será pago
Medida ainda precisa retornar para a Câmara e ser aprovada pelo presidente Lula (Imagem: Shein)

Na noite de quarta-feira (05), o Senado aprovou o Projeto de Lei do Mover (Programa Mobilidade Verde e Inovação) que, entre outros pontos, apresenta a taxação de 20% sobre produtos importados de até US$ 50.

Anteriormente, empresas habilitadas no Programa Remessa Conforme (PRC), como Shein, Shopee e Amazon, possuíam isenção para compras equivalentes a até R$ 263,60, na cotação do dólar desta quinta (06).

O ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) também entra nessa história, com cobranças específicas para cada estado.

No começo do ano, diversos estados atualizaram as alíquotas do imposto. A média é atualmente de 19,1%, mas no Maranhão, por exemplo, a alíquota chega a 22%, segundo a Comsefaz (Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal).

Anteriormente, para uma compra de US$ 50 em varejistas online e com incidência de ICMS de 19,1%, o preço da compra chegava a US$ 59,55, ou R$ 313,95.

Agora, com a incidência dos 20%, caso o projeto seja efetivamente aprovado, a mesma compra apresentaria alta de R$ 62,79, chegando a R$ 376,74.

Para uma alta ainda maior, de alíquota em 60% sobre remessas internacionais, conforme defendido por varejistas nacionais, a mesma compra poderia chegar a US$ 95,28 (R$ 502,32).

Shein foi contra alta na taxação

O programa Mobilidade Verde e Inovação prevê incentivos financeiros para a pesquisa e produção de veículos menos poluentes.

A inclusão da taxação no Mover foi incluída na Câmara dos Deputados como um “jabuti”, ou seja, não tinha relação com o tema original.

Entretanto, o tema divide opiniões. Enquanto Fernando Haddad, ministro da Fazenda, defendia o fim da isenção, de forma a aumentar a arrecadação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi contra a medida durante um primeiro momento.

Para varejistas nacionais, quando o projeto foi aprovado na Câmara, o sentimento era de que havia espaço para mais.

Segundo Confederações como a CNI, CNC e CNA, “a decisão de taxar em apenas 20% as compras internacionais não é suficiente para evitar a concorrência desleal, embora seja um primeiro passo bastante tímido em direção à isonomia tributária e sua equiparação com a produção nacional”.

Enquanto isso, a Shein considerou a decisão um retrocesso, afirmando que ela impacta diretamente a população brasileira e coloca um ponto final ao regime tributário que “nunca teve função arrecadatória”.

Estagiária
Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP). Apaixonada pela escrita e pelo audiovisual, ingressou no Money Times em 2023.
Linkedin
Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP). Apaixonada pela escrita e pelo audiovisual, ingressou no Money Times em 2023.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.