ImóvelTimes

Após tombo e salto na semana, BBA vê MRV (MRVE3) como “escolha certa” e oportunidades

10 fev 2024, 14:00 - atualizado em 10 fev 2024, 12:22
MRV ações construtoras incorporadoras comprar ou vender
Ações da MRV despencam quase 40% em 2024; gigante da construção civil virou quarta do setor em valor de mercado (Foto: Flávya Pereira/Money Times)

As ações da MRV&Co (MRVE3) exibiram uma forte oscilação esta semana, com tombos e saltos.

Depois de despencar 9,46% no pregão de quinta-feira (08), com investidores reagindo a novos cortes de preço-alvo e de recomendação pelo banco Safra e UBS BB, os papéis da construtora e incorporadora dispararam 6,87% ontem (09), com picos acima de 8%. A ação voltou a ser negociada acima de R$ 7.

Desta forma, a MRV fechou o pregão com o melhor desempenho do setor imobiliário na B3. Entretanto, sente os efeitos de um janeiro amargo e tem a segunda maior desvalorização no acumulado do ano, de quase 38%.

Com isso, a gigante da construção civil perdeu o posto de segunda mais valiosa do setor na Bolsa para quarto lugar. Agora, Cyrela (CYRE3), Cury (CURY3) e Direcional (DIRR3) estão na frente em valor de mercado (market cap).

Ainda vale a pena investir em MRV?

Com tantas perdas, ainda vale a pena investir nos papéis da empresa mineira?

Para o Itaú BBA, sim. Após o tombo de quinta-feira, analistas do banco veem “oportunidades”.

“Destacamos a MRV como a escolha certa para quem está disposto a correr mais riscos em busca de mais retornos. A queda na quinta-feira criou um ponto de entrada atraente”, dizem os analistas de real estate do BBA, vendo os ambientes operacional, financeiro e macroeconômico muito melhores em 2024.

Diante disso, a equipe do banco vê uma potencial valorização ponderada de 55% das ações em meio à expectativa de forte desempenho operacional para a companhia este ano.

Segundo os analistas, as vendas continuam fortes e o ambiente competitivo permanece saudável, principalmente, fora da cidade de São Paulo.

“Isso é um bom presságio para a trajetória da margem bruta, que poderá sustentar a recuperação dos lucros no médio prazo. Nossa projeção é de 26,5% em 2024 e 29,5% para 2025”, comenta o BBA em relatório.

Corte de juros traz luz

O Itaú BBA, que cortou o preço-alvo em janeiro (de R$ 13 para R$ 12 e manteve a recomendação de compra), ressalta que MRVE3 é a ação a ser mantida durante um ciclo de corte de juros global.

“A construtora é, sem dúvida, o nome com beta mais alto em todo o nosso universo de cobertura”, destaca.

Os analistas explicam que o desempenho da MRV é alavancado tanto com as taxas de juros dos Estados Unidos, graças a subsidiária americana Resia, quanto com a taxa Selic, com expectativa de mais cortes de 2,25 pontos percentuais ao longo do ano, chegando a 9%.

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin