CryptoTimes

Bitcoin (BTC) cai abaixo dos US$ 63.000, com fantasma da estagflação nos EUA cada vez maior; entenda

29 abr 2024, 17:52 - atualizado em 29 abr 2024, 17:52
bitcoin btc queda economia eua desvalorização recuo baixa entenda razões motivos por que
O Bitcoin (BTC) operava em queda nesta segunda, enquanto mercado aguarda dados da economia americana (Imagem: designs de Fernando Cortes/Canva Pro)

O Bitcoin (BTC) operava em queda de 1,41% às 17h08 desta segunda-feira (29). Por trás da baixa, está o temor com relação à economia dos Estados Unidos (EUA), com o risco de estagflação chegando às orelhas do mercado.

De acordo com Thomas Monteiro, estrategista-chefe do Investing.com, uma alteração mínima no discurso de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed), poderia desencadear uma reação nos mercados globais, com a reprecificação das expectativas de cortes de juros impactando as reações futuras de lucros.

Ele aponta que “até agora, muitas empresas perderam uma parcela significativa de mercado devido a uma reprecificação no crescimento da lucratividade e nos custos esperados devido ao adiamento do início dos cortes”.

“No entanto, se isso mudar, os balanços futuros dessas empresas precisarão ser reprecificados novamente, para cima ou para baixo, dependendo do que o mercado de títulos precificar”, finaliza.

Bitcoin (BTC) aguarda dados da economia americana

De acordo com o CME FedWatch Tool, ferramenta que analisa as probabilidades de cortes para as taxas de juros americanas, atualmente entre 5,50% e 5,25%, mostra que o mercado está dividido com relação início do ciclo de cortes.

A situação deve ficar um pouco mais clara, após a reunião do Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto), prevista para esta semana (dias 30 de abril e 01 de maio). Mais importante que a decisão em si, já que a maioria do mercado aposta na manutenção dos juros, é a mensagem que o Fed passará aos investidores, seja por meio de seu comunicado, seja na coletiva de imprensa concedida por Powell.

Até lá, o Bitcoin, assim como outros ativos, terá de conviver com a volatilidade gerada pelas incertezas sobre os rumos da maior economia do planeta.

Estagiária
Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP). Apaixonada pela escrita e pelo audiovisual, ingressou no Money Times em 2023.
Linkedin
Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP). Apaixonada pela escrita e pelo audiovisual, ingressou no Money Times em 2023.
Linkedin