Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Bitcoin: só coloque aquilo que você topa perder

25/05/2019 - 13:05
Bitcoin
Atinge o maior valor em quase 11 meses, decorrente de uma alta de quase 150% desde o piso registrado neste ano, em fevereiro

Por Gabriel Casonato, editor do Agora Financial 

Caro leitor,

Seguindo a tendência iniciada em abril, o Bitcoin arrancou de vez nas últimas semanas e voltou a superar a marca de US$ 8 mil.

É o maior valor em quase 11 meses, decorrente de uma alta de quase 150% desde o piso registrado neste ano, em fevereiro.

Chart

O resultado é que, depois de um longo período desaparecida do noticiário, a mais famosa de todas as criptomoedas voltou a dar as caras.

De uma maneira muito mais contida que em 2017, é verdade, quando disputou o posto de assunto mais discutido nas páginas de economia.

O temido estouro da bolha, que derrubou o preço do BTC em mais de 80% no ano passado, naturalmente fez com que a febre em torno dele acabasse.

Parecia que estávamos diante da morte precoce daquilo que surgiu como uma das maiores revoluções dos últimos tempos.

Mas veio o mês de abril e, junto com ele, o Bitcoin ressurgiu das cinzas.

Do nada, o preço começou a disparar e chegou a uma alta de 20% em poucas horas – saiu de US$ 4,2 mil para pouco mais de US$ 5 mil, o que naturalmente chamou a atenção.

Desde então, a trajetória vem sendo mantida, independente de ainda não ter sido encontrada nenhuma notícia capaz de justificar o movimento.

Para os entusiastas, no entanto, isso pouco importa.

Segundo eles, a disparada é sinal de que podemos estar diante de um novo ciclo de valorização expressiva para o Bitcoin.

Pode até ser.

Mas enquanto não me apresentarem motivos que indiquem que a virada é sustentável, prefiro manter a cautela.

(Imagem: Pixabay)

Quando procuramos notícias apontando os motivos da virada, lemos coisas como “possível entrada de investidores institucionais” e, principalmente, um “movimento técnico”, conforme o Bitcoin vai “quebrando resistências”.

O que significa isto?

Pragmaticamente, que não há nenhuma explicação direta para a arrancada, mas apenas tentativas de relacioná-la a algum fator.

Independente disso, na mesma velocidade em que a principal moeda digital resolveu subir de novo, ressurgem os questionamentos se está na hora de comprar.

A resposta é NÃO!

Quem nos lê há mais tempo já sabe que eu não sou nenhum fanático por Bitcoin ou criptomoedas em geral.

Sequer vejo o BTC como um investimento, e sim apenas como um ativo para especulação.

Então, dada a falta de fundamentos que o acompanhem, ao comprá-lo você está simplesmente apostando que outros vão pagar mais por ele no futuro.

Pode ser que dê certo, e não há nada de errado em se especular com um ativo – principalmente se for com uma quantia bem pequena de seu patrimônio.

Mas para aqueles que vêm me dizer que apostam no Bitcoin por ele ser uma tecnologia que vai revolucionar o mercado de moedas e de pagamento, eu pergunto:

E se aparecer uma criptomoeda com uma tecnologia melhor?

Quando lançaram o walkman, era bem revolucionário. Até que veio o iPod.

Quando lançaram as máquinas de fotos Polaroid, também foi bem revolucionário. Até que vieram as fotos digitais.

Por outro lado, a tendência atual aponta para cima, o que pode tornar menos arriscado comprar uma pequena quantia do BTC agora pensando meramente em especulação.

Não é o que eu faria se tivesse algum dinheiro sobrando, mas no atual contexto também não seria capaz de julgar quem o faz.

Se este for seu caso, vai fundo!

Minha dica é apenas para que coloque uma grana que você tope perder, estando ciente dos riscos envolvidos na operação.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , ,

Última atualização por Vitória Fernandes - 24/05/2019 - 15:13

Pela Web