Internacional

Bombardeios mais intensos no leste da Ucrânia em anos entram no segundo dia

18 fev 2022, 11:07 - atualizado em 18 fev 2022, 11:07
Membro das Forças Armadas da Ucrânia
A Rússia nega as acusações ocidentais de que está planejando uma invasão total da Ucrânia (Imagem: REUTERS/Anna Kudriavtseva)

Forças do governo ucraniano e rebeldes pró-Rússia relataram aumento de bombardeios no leste da Ucrânia pelo segundo dia consecutivo, nesta sexta-feira, uma escalada que Washington e outros aliados ocidentais dizem que pode fazer parte de um pretexto russo para invadir.

Uma fonte diplomática com anos de experiência direta no conflito descreveu o bombardeio dos últimos dois dias como o mais intenso ao longo da linha de frente no leste da Ucrânia desde que grandes combates terminaram com um cessar-fogo em 2015.

A Rússia nega as acusações ocidentais de que está planejando uma invasão total da Ucrânia, um país de mais de 40 milhões de pessoas, no que seria potencialmente a pior guerra da Europa em gerações.

Moscou disse esta semana que está retirando forças concentradas perto da Ucrânia. Os países ocidentais afirmam acreditar no contrário: mais equipamentos e pessoal estão chegando e fazendo os preparativos normalmente vistos nos últimos dias antes de um ataque.

Os mercados financeiros estão abalados com a perspectiva de uma guerra que pode interromper o fornecimento global de energia e arruinar a recuperação da crise pandêmica.

Eles tiveram algum conforto com o anúncio de que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se reuniria com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, na próxima semana – desde que a Rússia não tenha invadido primeiro.

A escalada acentuada de disparos no leste da Ucrânia, onde as tropas do governo enfrentam rebeldes apoiados por Moscou desde 2014, atiçou o alarme global desde quinta-feira. Ambos os lados disseram que os bombardeios aumentaram dramaticamente, embora até agora nenhuma morte tenha sido relatada.

A fonte diplomática disse que cerca de 600 explosões foram registradas na manhã de sexta-feira, 100 a mais do que na quinta-feira, algumas envolvendo artilharia de 152 mm e 122 mm e morteiros de grande porte. Pelo menos quatro tiros foram disparados de tanques.

“Eles estão atirando – tudo e todos”, declarou a fonte. “Não há nada assim desde 2014-15.”

O Kremlin chamou a situação no leste da Ucrânia de potencialmente muito perigosa.

No alerta mais detalhado dos EUA sobre a probabilidade de guerra, Blinken disse ao Conselho de Segurança da ONU que Washington acredita que a Rússia está planejando um ataque total. Pode começar com um pretexto fabricado, possivelmente envolvendo um ataque falso e acusações falsas sobre o conflito separatista, segundo Blinken.

Acusações

Os rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia acusaram as forças do governo ucraniano de bombardearem uma aldeia nesta sexta-feira, enquanto a mídia russa noticiou que mais unidades de infantaria e tanques estavam voltando para suas bases, em contraste com os temores ocidentais de uma iminente invasão russa.

A Ucrânia e os separatistas pró-russos estão em conflito há oito anos, e um cessar-fogo entre as partes é violado frequentemente, mas a intensidade dos combates aumentou notavelmente nesta semana.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na quinta-feira que a Rússia está preparando um pretexto para justificar um possível ataque à Ucrânia, cuja ambição de um dia aderir à aliança militar Otan enfureceu Moscou.

Na maior crise de segurança da Europa em décadas, a Rússia reuniu tropas, tanques e armas pesadas nas fronteiras da Ucrânia e exigiu garantias de que Kiev nunca irá ingressar na Otan, algo que o governo ucraniano se recusou a fazer.

Mesmo assim, a Rússia diz não ter intenção de invadir a Ucrânia e acusa o Ocidente de histeria por causa de sua presença militar nas fronteiras, dizendo que algumas de suas tropas já voltaram para as bases.

Os líderes ocidentais, no entanto, dizem que a Rússia continua sendo capaz de lançar uma invasão a qualquer momento.

Os esforços diplomáticos continuarão nesta sexta-feira, quando Biden fará uma videoconferência com os líderes do Canadá, França, Alemanha, Itália, Polônia, Romênia, Reino Unido, União Europeia e Otan.