China aposta todas as fichas em blockchain

Brave New Coin
30/10/2019 - 16:53
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Em um comunicado oficial na última sexta-feira, o presidente Xi Jinping disse que a China deve fazer um enorme esforço para desenvolver e utilizar tecnologias de blockchain (Imagem: Reuters)

Xi Jinping, presidente chinês, disse que a China deve se esforçar bastante para desenvolver e aplicar tecnologias de blockchain e obter “vantagem sobre os outros países”.

Esse anúncio vem um dia após a audiência de Mark Zuckerberg no Congresso americano em defesa à Libra. Zuckerberg argumentou que “a China está se apressando para lançar uma ideia parecida nos próximos meses. Não podemos ficar parados e achar que os Estados Unidos vai continuar sendo sempre o líder se não inovarmos”.

Enquanto políticos norte-americanos estão divididos sobre qual seria a melhor maneira de lidar com a revolução das moedas digitais, China parece pronta para impulsionar e alavancar a oportunidade de garantir a posição de liderança na emergente corrida global de blockchain.

O argumento do presidente chinês de aproveitar a “oportunidade do blockchain” parece que irá colocar o país entre num frenesi de desenvolvimento.

Investimentos estão sendo feitos, iniciativas estratégicas estão sendo postas em prática e leis propostas demonstram o comprometimento do país com a tecnologia.

China está em uma busca frenética por novas tecnologias de blockchain (Imagem: Pixabay)

O discurso da semana passada descreveu o blockchain como “um importante avanço” e anunciou guias e regulação para aplicações que vão desde empresas financeiras a gestão de cadeias de fornecimento.

Em um país com tantas regras hierárquicas, essas palavras carregam peso significativo e já estão pavimentando o desenvolvimento urgente de blockchains.

Pilar estratégico

Analistas da Maple Capital, empresa de investimentos nova-iorquina, sugere que agora, após o pronunciamento do presidente, vai ser “suicídio político para qualquer estudioso ou autoridade governamental” que seja contra ao blockchain, porque é provável que um “pilar estratégico” do desenvolvimento da China seja mantido no futuro próximo.

O sentimento se refletiu no mercado: tanto o bitcoin como as ações relacionadas ao blockchain cresceram quando empresas, universidades e órgãos governamentais sinalizaram sua intenção de investimento de capital na tecnologia.

Várias instituições estão em busca de desenvolvimento tecnológico para não “comer poeira” na corrida por tecnologias de blockchain (Imagem: Pixabay)

A administração ciberespacial da China informou que mais de 500 projetos já estão em desenvolvimento, incluindo financiamento de negociações, gestão de ativos, pagamentos intercontinentais e financiamento de cadeias de fornecimento. A maior parte desses projetos estão sendo comandados por Baidu, TenCent e Alibaba.

O governo local chinês também possui “enormes iniciativas em blockchain” a caminho, de acordo a chinesa com Dovey Van, da Primitive Ventures. Além disso, algumas das maiores universidades do país já começaram a desenvolver cursos voltados para blockchain.

Um conselheiro político da província de Sichuan disse que a mineração de bitcoin, antes sob ameaça de proibição no país, agora será bem-vinda na região.

Ainda mais significativa é a dedicação dos bancos chineses. Dizem que o Banco Comercial da China investiu na BitPie, plataforma de carteiras de criptomoedas, que deve “o histórico mais longo e a maior quantidade de usuários na China”. Além dele, o ICBC, o Banco Industrial e Comercial da China lançou uma carteira de moedas digitais.

Alguns comentaristas são controversos sobre quais são os objetivos desses esforços.

“Tudo o que posso dizer é que, para mim, esse é um sinal do início da nacionalização da infraestrutura relacionada aos bitcoins/criptoativos”, afirmou Wan, e acrescentando que “futuramente, tudo será propriedade governamental, ou pelo menos parcialmente”.

Centralização tecnológica da China preocupa simpatizantes do ecossistema das cripto (Imagem: Pixabay)

Su Zhu, CEO da Three Arrows Capital, empresa de investimentos de Cingapura, apresenta um ponto de vista mais distópico. Ele sugere que a tecnologia criptografada que sustenta as criptomoedas pode levar a uma visão mais original de Mao Tse-Tung: “comunismo com características digitais”.

Uma certa aplicação suspeita baseada em blockchain já surgiu.

De acordo com uma postagem do último sábado, 26, a Lingzhu Technologies, empresa de blockchain localizada em Pequim, desenvolveu uma aplicação descentralizada (dapp) chamado “Original Intentions Onchain” (Intenções Originais “On-Chain”, em tradução literal) que permite aos membros do Partido Comunista anunciarem sua lealdade legítima ao partido em um blockchain público e imutável.

A frase “intenções originais” data de um discurso do presidente em uma reunião do partido em 2017, quando o termo foi indispensável em uma campanha para que membros permanecessem filiados ao partido.

O Congresso Nacional do Povo da China já instaurou uma lei a respeito da tecnologia de criptografia no país (Imagem: Pixabay)

Lei de Criptografia

Em outro lugar, o projeto do yuan digital da China, que planeja expandir a influência do banco central sobre a economia doméstica e internacional, está prestes a render frutos.

Apenas um dia após o discurso do presidente, o Congresso Nacional do Povo da China aprovou uma lei de criptografia que vai entrar em vigor no dia 1º de janeiro de 2020.

Isso almeja a criação de um sistema regulatório padronizado, o encorajamento no desenvolvimento de “tecnologias criptográficas comerciais” e o aumento no controle sobre a tecnologia de criptografia por meio de uma agência estatal: a Secretaria de Administração de Criptografia do Estado Chinês.

Em conjunto com outros projetos de blockchain, é provável que a lei sirva de base legal para o lançamento do yuan digital.

Quando a moeda digital for lançada — o que pode ser mais cedo ou mais tarde dada a rapidez com que o país está avançando —, vai teoricamente restaurar o controle sobre o yuan ao Banco do Povo da China, tirando o poder de plataformas sem dinheiro como AliPay e WeChat, com atual dominância dos pagamentos.

Também é possível que, em âmbito internacional, a China tente alavancar a moeda digital para enfraquecer o dólar como moeda de reserva global.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 30/05/2020 - 12:46

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado cripto?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web