Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Chuvas e operação militar ajudam a reduzir incêndios na Amazônia em setembro

04/10/2019 - 16:46
Setembro teve o menor número de focos de incêndio desde 2013, reduzindo a quantidade de queimadas no acumulado do ano em comparação aos anos anteriores (Imagem: REUTERS/Nacho Doce)

O número de focos de incêndio na floresta amazônica registrou redução de 36% em setembro em relação a agosto, e ficou bem abaixo da média histórica de 20 anos para o mês, mediante condições climáticas melhores e uma operação de combate às chamas deflagrada pelas Forças Armadas.

Os incêndios na Amazônia atingiram em agosto o nível mais alto desde 2010 nos primeiros oito meses do ano, de acordo com dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), o que resultou em uma pressão internacional sobre o Brasil pela preservação da maior floresta tropical do mundo, que representa um baluarte contra as mudanças climáticas.

Mas setembro teve o menor número de focos de incêndio desde 2013, reduzindo a quantidade de queimadas no acumulado do ano em comparação aos anos anteriores, segundo o Inpe. De 1º de janeiro a 3 de outubro, este ano agora é o pior em termos de incêndios na Amazônia apenas desde 2017.

Os incêndios na Amazônia são em grande parte causados pelo homem, provavelmente provocados por agricultores para limpar a terra para o plantio, de acordo com especialistas. Na estação da seca –aproximadamente de maio a setembro, embora varie de ano para ano–, os incêndios geralmente escapam do controle, uma vez que a vegetação está seca e não há chuva suficiente para ajudar a reduzir as chamas.

A queda em setembro se deve em parte ao fato de o presidente Jair Bolsonaro ter enviado militares para combater as queimadas como parte de uma operação lançada em 24 de agosto, e também pelas melhores condições de chuvas, disse Maria Silva Dias, professora da Universidade de São Paulo (USP), que estuda a interação entre incêndios florestais e o clima.

Nas áreas mais populosas, pode ter um efeito maior da atuação do Exército extinguindo incêndios e fazendo com que pessoas que queimariam a terra para limpá-la se preocupem com a dimensão do fogo, disse Maria Dias. Mas a Amazônia é tão vasta que os militares são incapazes de combater incêndios em grande parte da floresta, disse ela.

“O tempo ajudou de alguma maneira. Onde choveu, apagou os incêndios”, disse a professora de ciências atmosféricas.

A estação das chuvas, que normalmente começa em 20 de setembro com precipitação regular, está um pouco atrasada este ano, disse ela. Mas há mais alívio a caminho, com previsão de chuvas dispersas em toda a região nos próximos cinco dias.

“Provavelmente teremos uma chance mais regular de chuva em todos os lugares, então parece que está aumentando”, disse Dias.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Bruno Andrade - 04/10/2019 - 16:46