Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Citigroup começa a reduzir desigualdade salarial de gênero

15/01/2020 - 15:30
Empresas Bancos CitiBank
A análise de desigualdades salariais “ajustadas” compara a remuneração de homens e mulheres e leva em conta fatores como função, nível hierárquico e geografia (Imagem: Reuters/Mike Segar)

O Citigroup reduziu a diferença salarial entre homens e mulheres em sua força de trabalho global no ano passado, informou o banco.

Agora, as mulheres ganham 27% menos do que os homens, uma melhora em relação à diferença de 29% de um ano atrás, de acordo com um memorando enviado para funcionários por Sara Wechter, diretora de recursos humanos do banco.

A empresa também revelou que, entre seus funcionários nos EUA, as pessoas não brancas ganham 6% menos que seus colegas brancos, o que se compara à diferença de 7% do ano anterior.

“Temos muito mais trabalho a fazer”, disse Wechter no memorando. “Nosso trabalho para abordar ambas medidas é contínuo e o ritmo da mudança provavelmente varia de ano para ano.”

Embora muitos de seus principais concorrentes tenham oferecido análises de desigualdades salariais “ajustadas” em resposta a acionistas e reguladores do Reino Unido, o Citigroup é uma das poucas grandes empresas dos EUA a oferecer uma divulgação tão clara, que mede a remuneração total média.

A análise de desigualdades salariais “ajustadas” compara a remuneração de homens e mulheres e leva em conta fatores como função, nível hierárquico e geografia. Nessa base, as mulheres são pagas globalmente, em média, mais de 99% do que os homens são pagos no Citigroup.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O banco disse que a diferença entre as duas medidas mostra a necessidade de aumentar o número de mulheres e minorias em cargos de alto escalão. O banco disse que aumentará a representação para esses níveis para pelo menos 40% para mulheres e 8% para funcionários negros nos EUA até o próximo ano.

Última atualização por Vitória Fernandes - 15/01/2020 - 15:30

Há uma bolha na Bolsa brasileira?