Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Vitreo DTVM

Coaf/Cruangi, única usina a garantir CBios aos produtores, faturou R$ 302 mil em 1,5 mês com o título

27/10/2020 - 16:24
Fornecedores de cana da unidade cooperada de Pernambuco já garantiram os CBios (Imagem: REUTERS/Sergio Moraes)

A pequena Coaf/Cruangi, a usina cooperativista da Zona da Mata Norte de Pernambuco, até agora é a única indústria sucroenergética brasileira a garantir aos fornecedores a parte que lhes caberá dos Créditos de Descarbonização (CBios) que serão negociados nesta safra.

Desde o início do ciclo da cana nordestina, no final de agosto, foram faturados R$ 302 mil em 1,5 mês, sob um total de 6.720 papéis vendidos (em torno de R$ 40 cada em agosto e de R$ 60 de setembro a outubro), que sustentam o RenovaBio no sequestro de C0².

E e a unidade já está comprometida – legal e transparentemente – a atender os produtores ao final da temporada.

Não houve nenhum movimento de qualquer unidade brasileira a tomar a mesma iniciativa, que, inclusive, é alvo de contestação dos produtores, e com a Feplana e AFCP à frente, respectivamente associações de plantadores nacionais e pernambucanos.

“Não é justo o produtor não receber pelos CBios, já que eles são os principais elos dessa cadeia e fornecerão uma cana com fatores ambientais que se enquadram nas necessidades do RenovaBio, com menos agentes fósseis nos fertilizantes e menor uso de diesel”, diz Alexandre Lima, presidente da Coaf/Cruangi e daquelas duas entidades.

As usinas, inclusive, obrigam o fornecedor da entregar o Cadastro Ambiental Rural (CAR), daí também que a defesa dos produtores chegou ao Congresso, onde o deputado federal Efraim Filho (DEM-PB) apresentou Projeto de Lei (PL 3149/20) tentando mudar esse “falha” na lei do Programa Nacional para os Biocombustíveis.

No caso da Coaf/Cruangi, a expectativa de Lima, no início da safra, era de produzir 50 milhões de litros de etanol, além de 10 mil toneladas de açúcar e 20 milhões de litros de cachaça, mas os números deverão ser revistos até o final da moagem, em fevereiro, de acordo com o andamento de preços do mix.

Também a unidade inaugura a produção de cogeração de energia elétrica, com 60 mil toneladas de bagaço, já aprovadas pela Aneel e aguardando o aval da Celpe.

A moagem segue com as 840 mil previstas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 27/10/2020 - 16:32